Especial Chamusca | Retrato da União de Freguesias de Parreira e Chouto

A Feira da Ascensão é um dos cartões de visita da Chamusca. Por ocasião de mais uma edição desta festa ribatejana, o mediotejo.net dá a conhecer um pouco da história do concelho e das suas freguesias.

A União de Freguesias de Parreira e Chouto surgiu em 2013, resultado da reforma administrativa nacional, pela agregação das antigas freguesias de Parreira e Chouto. É a maior do seu concelho, representando quase metade do concelho da Chamusca.

Parreira está situada a sul do concelho, edificada junto a duas ribeiras: a Ribeira de Muge e a Ribeira do Chouto. Até à data da sua criação como freguesia, outubro de 1985, esteve anexada à freguesia de Vale de Cavalos, tendo pertencido entre 1919 e 1926 ao concelho de Alpiarça.

Terá tido a sua origem em dois Casais: Casal da Parreira e Casal do Salvador. De lugares como Montargil e Ponte de Sôr vinham pessoas para trabalhar os campos destes dois casais, dando assim origem ao povoamento da região e consequentemente ao surgimento da aldeia de Parreira.

A lenda da Parreira
Há muitos anos, andava um caminheiro de terra em terra, pobre e sem nada para comer. Um dia, passou junto a um velhinho que estava sentado à beira da estrada, sem forças sequer para andar. Abeirou-se do pobre homem e deu-lhe a única coisa que tinha para comer, um cacho de uvas. Depois de comer, o velhinho atirou os caroços ao chão e agradeceu ao caminheiro que ficara sem nada para comer. No ano seguinte, quando o caminheiro voltou a passar por aquele local, todo o caminho estava coberto por parreiras que lhe mataram a fome.

O primeiro senhorio de Chouto seria chamado de Ribeira do Chouto, resultado de doação de D. Afonso V, ao escudeiro Gonçalo Galvão, em 1459. Manteve-se nos Condes de Castanheira até 1647. Com a extinção desta doação as terras da freguesia reverteram para posse da Casa do Infantado. A partir de 1654, o Chouto, ao passar a integrar o património da Casa do Infantado, teve como Senhor o primeiro dos Infantes, D. Pedro de Bragança, filho da primeira Rainha donatária da Casa das Senhoras Rainhas, D. Luisa de Gusmão, bisneta de Ruy Gomes da Silva. D. Pedro de Bragança era trineto de Ruy Gomes da Silva e acabou por ser Rei de Portugal e dos Algarves como D.Pedro II.

O Chouto terá sido uma das primeiras freguesias do concelho de Ulme, entre 1830 e 1855. Foi integrado como aldeia e freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Chouto, em 1830, sendo-lhe acrescentados os territórios da Coutada Real, em 1834 e em 1855 ficou pertença do concelho da Chamusca com a extinção do concelho de Ulme.

Tem a palavra…Bruno Miguel Marques de Oliveira, 33 anos, no cargo de Presidente da Junta de Freguesia desde 2013, eleito em representação do Partido Socialista.

Como descreve a sua freguesia? Quais os principais pontos fortes e quais as principais dificuldades?
A nossa freguesia é o “orgulho na charneca”, é sabermos quem somos, de onde vimos e que legados deixaremos. Somos grandes na charneca e com um grande coração no Ribatejo. É uma grande freguesia, não apenas pela dimensão, mas sobretudo pela sua população. Fazendo uma pequena análise SWOT(*), penso que a nossa natureza é uma riqueza e a nossa localização uma oportunidade. Detesto considerar que possamos ser ameaçados e que tenhamos pontos fracos, mas julgamos saber como transformar estes em pontos fortes ou oportunidades.

Que limitações sente na gestão da freguesia?
Para mim as maiores limitações na gestão da nossa freguesia são os escassos recursos humanos existentes e, como sempre, os recursos financeiros. Somos uma freguesia que representa quase metade do concelho da Chamusca, temos cerca de 340Km², mas com uma população muito dispersa, limitando muito o nosso trabalho do dia a dia. Apesar dos esforços feitos pelo nosso pessoal é muito difícil chegarmos a todo o lado tanto quanto queríamos.

O que é mais gratificante no cargo de presidente de junta?
É poder servir esta população. Quem me conhece sabe que nunca procurei mérito ou reconhecimento, procuro sim o bem estar de outros muitas vezes em detrimento do meu e da minha família. Mas se o faço, é porque o considero gratificante.
Complete a frase: não gostaria de terminar o meu mandato sem… suor.

Retrato da união de freguesias
Localidades: Parreira, Salvador, Moinho de Vale de Flores, Murta, Chouto, Gavião, Gaviãozinho, Gorjão, Marmeleiro, Marvila, Pego da Curva e Tojeiras de Baixo.
Área: 338,7 Km²
População: 1.730 habitantes

Brasões

Ordenação heráldica: 17 de janeiro de 2001
Descrição:
Escudo de ouro, um sobreiro de verde, arrancado e folhado do mesmo, descortiçado de negro, entre dois cachos de uvas de púrpura, sustidos de verde; em ponta, quatro burelas ondadas de azul e prata. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: “PARREIRA – CHAMUSCA“.

Ordenação heráldica: 3 de novembro de 1995
Descrição:
Escudo de ouro, dois ramos de sobreiro de verde, landados de púrpura, postos em faixas, acompanhados em chefe de uma flor-de-lis de azul entre dois chocalhos de negro e, em ponta, de três burelas ondeadas de azul e prata. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco com a legenda em maiúsculas de negro: “CHOUTO“.

(*) SWOT, em inglês no original, é a sigla dos termos Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças). O equivalente em português, raramente utilizado, seria a sigla FOFA, com alteração da ordem dos termos (NR).

Paula Val
Começou numa das primeiras rádios locais do País, nos seus tempos de liceu, passou pelas (então) novas áreas da informática, a par dos estudos da faculdade, e acabou por apostar na banca de investimento, a que se dedicou durante 20 anos. Trocou a capital por Abrantes e os números pelas letras, que conjuga com a paixão pela fotografia. Não se conforma com o uso do acordo ortográfico, gosta dos "P" e dos "C", mesmo que não se leiam. Mulher de 20 ofícios, dedica-se hoje à gestão e produção de vários projetos do grupo editorial do mediotejo.net

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).