Alcanena | Cientista Elvira Fortunato premiada pela Comissão Europeia por primeiro ecrã transparente

A cientista Elvira Fortunato tem raízes familiares em Louriceira, Alcanena, onde os pais nasceram e onde passou parte da sua infância Foto: DR

A engenheira de materiais e investigadora Elvira Fortunato, “mãe” do transístor de papel, foi hoje distinguida pela Comissão Europeia com o Prémio Impacto Horizonte 2020, pela criação do primeiro ecrã transparente com materiais ecossustentáveis.

PUB

O prémio, no valor de 10 mil euros, distingue projetos científicos financiados por fundos europeus e cujos “resultados tiveram impacto na sociedade”, disse à Lusa a investigadora, que dirige o Cenimat – Centro de Investigação de Materiais, da Universidade Nova de Lisboa, da qual é vice-reitora.

Elvira Fortunato foi a única portuguesa premiada, entre outros cientistas distinguidos de uma lista de 10 finalistas. O anúncio dos cinco vencedores da edição deste ano do Prémio Impacto Horizonte, a segunda desde 2019, foi feito em Bruxelas, Bélgica.

PUB

Elvira Fortunato licenciou-se em Engenharia Física e dos Materiais em 1987 e é uma das cientistas portuguesas mais premiadas. Ao mediotejo.net Elvira Fortunato revelou que os pais são da Louriceira e que era no concelho de Alcanena, nos Olhos de água, que passava as férias de criança e adquiriu o gosto pela liberdade de pensar.

O projeto “Invisible” (Invisível), com o qual a investigadora portuguesa foi premiada, consistiu no desenvolvimento do primeiro ecrã transparente a partir de um material semicondutor de baixo custo, não degradável e que produz melhores resultados, o óxido de zinco, que entra na composição de pomadas para bebés ou protetores solares.

PUB

A tecnologia, patenteada pela diretora do Cenimat e pela “gigante” eletrónica Samsung, é aplicável a telemóveis, televisores, computadores ou ‘tablets’, permitindo obter imagens de maior resolução.

Segundo Elvira Fortunato, pioneira na eletrónica transparente, o projeto representou uma “revolução na área dos materiais semicondutores”, com recurso a “tecnologias amigas do ambiente”, que não desperdiçam tanta energia.

O “Invisible” foi financiado em 2,25 milhões de euros pelo Conselho Europeu de Investigação, agência da Comissão Europeia que apoia a investigação científica, nomeadamente através de bolsas, e o projeto foi desenvolvido durante cinco anos, entre 2009 e 2014.

O Prémio Impacto Horizonte destina-se a cientistas que lideraram projetos financiados pelo 7.º Programa-Quadro (2007-2014) e pelo Programa Horizonte 2020 (2014-2020). As candidaturas finalistas foram avaliadas por um júri independente.

c/LUSA

Notícia relacionada:

Alcanena: Elvira Fortunato encheu o Centro Ciência Viva com a tecnologia transparente (C/Vídeo)

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here