Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Junho 13, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Inauguração do Panteão dos Almeida marca reabertura da secular Igreja de Santa Maria do Castelo

O município de Abrantes vai inaugurar no Dia da Cidade, 14 de junho, feriado municipal, o projeto da Museografia e Arquitetura Expositiva do Panteão dos Almeida, na Igreja de Santa Maria do Castelo. O Museu Regional D. Lopo de Almeida foi musealizado como Panteão dos Almeida e integrará a rede de Museus de Abrantes, em constituição, para atrair mais pessoas ao território, juntando-se a outras áreas de interesse turístico.

O Panteão dos Almeida, que abre ao público no dia 15 de junho, abriga vários túmulos, entre os quais os dos Condes de Abrantes (sécs. XV e XVI), destacando-se os túmulos em estilo gótico florido flamejante, uma estrutura retabular quinhentista, azulejos hispano-mouriscos, e exemplares de frescos ou pinturas murais, que datarão do século XVI.

A igreja de Santa Maria do Castelo, que se presume tenha sido mandada construir por D. Afonso II em 1215, foi o panteão dos Almeidas, condes de Abrantes, que também tinham o seu palácio dentro do recinto do castelo, construído por ordem do alcaide-mor de Abrantes, D. Diogo de Almeida, por volta de 1432.

Panteão dos Almeida é inaugurado dia 14 de junho na Igreja de Santa Maria do Castelo. Foto: CMA

Luís Dias, vereador da Cultura na Câmara de Abrantes, disse que o projeto que vai ser inaugurado na Igreja de Santa Maria do Castelo, um monumento nacional integrado em plena fortaleza, pretende dignificar toda a estrutura tumular da família Almeida que está ali sepultada e de tudo o que respeito ao espírito de lugar da igreja.

Com a intervenção realizada nos últimos meses, através de painéis expositivos, o visitante poderá usufruir de ambientes cenográficos e sonoros, recordando dentro de cada espaço diferentes memórias da história e obra da família Almeida, a ínclita geração da nobreza portuguesa, associada à história de Abrantes e a vários momentos da história de Portugal.

Na antiga sacristia exibe-se um documentário e no templo está também instalada uma mesa interativa que dá a conhecer de forma lúdica um conjunto de temas e personagens intimamente ligados com a história da Igreja. No acesso ao coro alto pode ainda observar-se algum acervo arqueológico recolhido em várias escavações que, em diferentes momentos, ocorreram na fortaleza abrantina.

Para melhorar o acesso ao interior da igreja foi colocada uma rampa para pessoas com mobilidade condicionada, no acesso lateral norte.

Igreja de Santa Maria do Castelo, Abrantes. Créditos: CMA

O vereador da Cultura lembrou que foi naquela igreja que decorreu um dos episódios mais marcantes da história de Portugal: o Conselho de Guerra da Batalha de Aljubarrota, em 1385, onde D. João I e D. Nuno Álvares Pereira decidiram que iriam para o campo da batalha, em São Jorge, combater os espanhóis.

ÁUDIO | LUÍS CORREIA DIAS, VEREADOR CULTURA CM ABRANTES

O investimento, que incluiu o projeto, a obra de construção civil para adaptação da igreja à instalação da museografia e a aquisição de sistemas cenográficos e tecnológicos, foi de 325.324,60 €. Foi financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) 276.525,89€, através de candidatura aprovada ao Programa Operacional Regional do Centro 2020, com enquadramento na Prioridade de Investimento – “Investimento na conservação, proteção, promoção e desenvolvimento do património Cultural. Já a Câmara Municipal assegurou a componente nacional tendo suportado a quantia de 48.798,71€.

O projeto decorreu no âmbito da reabilitação do património religioso no concelho de Abrantes e do projeto cultural do Município. O Panteão integrará a rede de Museus de Abrantes, em constituição, que inclui o Museu MDF – Metalúrgica Duarte Ferreira, em Tramagal, – Prémio Museu do Ano em 2018, atribuído pela APOM -, o MIAA – Museu Ibérico de Arqueologia e Arte, que se encontra em fase de instalação no Convento de São Domingos, e, mais tarde, o MAC – Museu de Arte Contemporânea que nascerá no Edifício Carneiro, e ainda o Quartel da Arte Contemporânea.

Projeto de ‘Museografia e Arquitetura Expositiva para o Panteão dos Almeida’, na Igreja de Santa Maria do Castelo, vai ser inaugurado no dia 14 de junho. Foto: CMA

A intervenção consistiu na construção de antecâmara em vidro no acesso principal, na colocação de estrutura em madeira pousada no pavimento para nivelação do espaço, colocação de painéis de vidro na estrutura de madeira, com iluminação LED, para suporte da informação, colocação de uma rampa para pessoas com mobilidade condicionada no acesso lateral poente e na criação de uma estrutura para colocação de peças na sala sul.

Igreja de Santa Maria do Castelo, Abrantes. Créditos: DR

Luís Dias destacou ainda o cineteatro São Pedro e o futuro edifício multiusos como importantes no âmbito desta “cartografia cultural”, tendo feito notar ainda as intervenções de requalificação e preservação ao nível do património religioso na cidade onde, para além da intervenção na Igreja de Santa Maria do Castelo, tem sido objeto de investimento a Igreja da Misericórdia e as Igrejas de São João e de São Vicente, ambas classificadas como monumentos nacionais.

Museu D. Lopo de Almeida, Castelo de Abrantes. Foto: DR

A igreja de Santa Maria do Castelo foi classificada como Monumento Nacional a 16 de junho de 1910, Desafetada ao culto em 1834, a igreja alberga o Museu D. Lopo de Almeida, fundado em 1931, e que conta com diversas coleções museológicas, que irão integrar o espólio do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes (MIAA).

Panteão funerário da família dos Almeidas, alberga os restos mortais do refundador da igreja, D. Diogo Fernandes de Almeida, de D. Lopo de Almeida, primeiro Conde de Abrantes, assim como o túmulo do segundo Conde de Abrantes, D. João de Almeida, D. António de Almeida e do primeiro Marquês de Abrantes, D. Rodrigo Anes de Almeida Meneses, membro fundador da Real Academia Portuguesa de História.

A Câmara Municipal de Abrantes inaugura segunda-feira, dia 14 de junho, dia da Cidade e feriado municipal, pelas 18h00, a nova museografia da Igreja de Santa Maria do Castelo. A partir do dia 15 de junho, reabre as portas para a visita ao público, no horário de terça-feira a domingo das 10h às 12h30 e das 14h às 17h30. Encerra à segunda-feira e feriados (exceto 25 de abril, 10 e 14 de junho, 5 de outubro e 1 de dezembro).

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome