Abrantes | ALTERNATIVAcom assinala um ano e apresenta Luís Peixoto e Aníbal Melo como mandatários

Os cidadãos independentes que vão concorrer às eleições autárquicas de 2021, em Abrantes, e que constituíram o movimento ALTERNATIVAcom há um ano, apresentaram esta semana os seus mandatários e criaram formalmente uma associação. Num balanço sobre a atividade do movimento desenvolvida em cenário de pandemia, o cabeça de lista, Vasco Damas, admitiu “dificuldades”, mas considerou o resultado “muito positivo”, num caminho traçado sob o mote “Missão Possível”.

O balanço do primeiro ano do movimento ALTERNATIVAcom fez-se no dia 11 de novembro, no Aquapólis Sul, no qual os cidadãos independentes concorrentes às eleições autárquicas de 2021, em Abrantes, apresentaram os seus mandatários político e sénior.

Numa conferência de imprensa ao ar livre devido à situação de pandemia, que contou com a participação de alguns membros do movimento independente, Vasco Damas revelou que o médico Luís Peixoto, ex-deputado eleito pelo PCP e antigo vereador da Câmara Municipal de Abrantes, é o mandatário político do ALTERNATIVAcom.

PUB

Aníbal Melo é o mandatário sénior do movimento independente, tendo cumprido cinco mandatos enquanto presidente da Junta de Freguesia de São Vicente, em Abrantes, eleito pelo PS.

Aníbal Melo. Créditos. mediotejo.net

Vasco Damas descreve os novos elementos da equipa como “duas personalidades que são uma referência da política local, a qual credibilizaram através dos valores que intransigentemente defenderam e do serviço público que prestaram em termos de trabalho, obra, altruísmo, rigor, transparência, honestidade e humildade. Duas personalidades que sempre admirei, respeitei”, disse.

Luís Peixoto esteve ausente da conferência de imprensa mas deixou uma mensagem lida por José Rafael Nascimento, na qual o médico expressou confiança na equipa liderada por Vasco Damas, ao considerar “uma alternativa séria, importante, democrática, construtiva e dialogante, capaz de contribuir para o desenvolvimento do concelho de Abrantes, sem aspiração a ascensão a cargos políticos supraconcelhios, moldando os possíveis eleitos a sua atuação, em função dessas aspirações”.

Disse ainda que “a abstenção é um problema sobre o qual importa refletir e que necessita de resposta”. Luís Peixoto entende que “uma das formas de abordar e tentar inverter esta realidade, passa, possivelmente, por candidaturas fora da esfera partidária. Candidaturas não comprometidas com programas partidários, nem sempre ajustados às realidades locais, mas comprometidas em exclusivo com as necessidades do concelho e das populações nele residentes”.

Luís Peixoto. Créditos: DR

Por seu lado, Vasco Damas citou algumas palavras proferidas no último sábado por Barack Obama: “A democracia precisa de uma cidadania ativa com foco sustentado nos assuntos não apenas nos períodos eleitorais mas todos os dias”, dando conta ser também essa a visão do ALTERNATIVAcom, “porque, para nós, mais importante que o resultado da próxima eleição, é o futuro da próxima geração”.

Antes dessa citação sublinhou que, como cidadãos independentes, não são “do contra”, apenas “conscientes da existência de vários caminhos”, e as suas propostas “serão sempre um ponto de partida para um debate e uma reflexão que desejamos sejam cada vez mais alargados e mais profundos”.

Apoio aos movimentos de independentes de Rio de Moinhos, Mouriscas e Tramagal

Nesse caminho que quer traçar, o ALTERNATIVAcom inclui as 13 freguesias do concelho de Abrantes, mas Vasco Damas reconhece, um ano depois, que “as dificuldades são muito maiores” do que aquelas que imaginava. “Este ano permitiu-nos ganhar esse capital de conhecimento e perceber um pouco melhor a realidade e as dificuldades. O cenário de pandemia agravou mais essas dificuldades mas não é justificação porque essas dificuldades já existiam e foram rapidamente identificadas”.

Vasco Damas líder do movimento ALTERNATIVAcom. Créditos: DR

Vasco Damas garante que o movimento está a trabalhar no sentido de “identificar as pessoas certas, com o perfil com o qual nos identifiquemos e possam ser os nossos representantes para formar as equipas independentes” nas 13 freguesias.

Há cerca de dois meses o ALTERNATIVAcom informou em comunicado que estaria alinhado com todos os movimentos independentes que já existem ou que entretanto se constituírem desde que tenham a mesma visão de desenvolvimento para o concelho.

Assim, Vasco Damas dá conta do movimento independente apoiar o Movimento Independente da Freguesia de Rio de Moinhos (MIFRM) até porque Rui André integra a equipa do ALTERNATIVAcom, e haver entendimento com o Movimento Independente Freguesia Tramagal (MIFT) e também com o AGIMOS – Agrupamento de Independentes por Mouriscas. “Esses processos estão muito avançados e estão a correr muito bem” garante. Vasco Damas manifesta “preocupação” com as restantes freguesias tendo o movimento criado na rede social Facebook uma página para cada freguesia do concelho de Abrantes.

“O objetivo é que as noticias comecem a ser diferentes dentro de cada freguesia em função dos assuntos relacionados com essa freguesia. Acreditamos que dessa forma temos a possibilidade de aumentar a interação e diminuir a distância e conseguir identificar as pessoas com o perfil certo para fazerem parte da equipa” referiu.

No entanto, neste momento Vasco Damas não consegue precisar se essas candidaturas acontecerão em “em nome próprio” ou em nome do ALTERNATIVAcom “tendo em conta o imbróglio em que está a lei autárquica nacional. Em termos legais corremos o risco, se a lei for aprovada, do movimento ALTERNATIVAcom não poder concorrer às freguesias com esse nome. Neste momento ainda não está definido. Em Rio de Moinhos e Tramagal manterá o nome do movimento que já existia. Relativamente a Mouriscas existe a possibilidade, a vontade e a motivação de que houvesse uma fusão: ALTERNATIVAcomMouriscas. Mas é algo que estamos negociar. E em função do desenvolvimento da lei tomaremos decisões”.

José Rafael Nascimento lê a mensagem de Luís Peixoto. Créditos: mediotejo.net

Sendo que o líder do movimento independente define como as duas grandes preocupações para o concelho de Abrantes “recuperar a identidade perdida, fundamental para que Abrantes possa estar nas bocas do mundo e para que possamos comunicar e vender Abrantes; e estancar a hemorragia demográfica essencialmente ao nível da população jovem”.

Doze meses de intervenção com cenário de pandemia e balanço “positivo”

Resumindo os últimos 12 meses o ALTERNATIVAcom questionou a Câmara Municipal de maioria PS “em relação à suspensão da organização do Festival de Filosofia de Abrantes de 2019, do Festival Ibérico do Azeite e do CreativeCamp. Alertámos a autarquia para o futuro da Central Termoelétrica do Pego, para os acessos rodoviários às escolas de Abrantes e para o dossier Jorge Ferreira Dias. Sugerimos o debate e uma reflexão coletiva sobre o património industrial, sobre o Cineteatro São Pedro, sobre as prioridades em relação ao investimento em infraestruturas desportivas e defendemos o regresso do mercado diário de frescos ao antigo Mercado Municipal, sem prejuízo do projeto (ou projetos) que existam ou venham a existir para o edifício, considerando que este deve ser um dos critérios inegociáveis e inalienáveis para o regulamento do concurso de ideias que a autarquia vai lançar”.

Os independentes refletiram ainda “sobre a importância de recuperarmos a nossa identidade, sobre a preocupação de construirmos uma gestão autárquica transparente, sobre a execução do Orçamento Participativo, sobre a consciência de sermos proativos em políticas de ação social que ganha ainda maior relevância nos tempos que vivemos, sobre a importância local da dinâmica dos movimentos associativos, sobre as ameaças que devem ser defendidas através de políticas ambientais conscientes e responsáveis, sobre a reorganização administrativa do território ao nível das freguesias, defendendo neste caso, a desagregação das freguesias de Alferrarede, Rossio ao Sul do Tejo e São Miguel do Rio Torto e fomos os primeiros a defender localmente o estudo de viabilidade para o aeroporto de Tancos”, lembrou Vasco Damas.

Vasco Damas líder do movimento ALTERNATIVAcom. Créditos: mediotejo.net

Apesar do cenário de pandemia, Vasco Damas fala num balanço “muito positivo”, interessante e enriquecedor: “Aprendemos todos muito. Um ano cheio de conquistas, com muito sucesso e algumas derrotas, com algumas desilusões, mas que acabaram por valorizar os momentos bons e que foram muito importantes para nos preparar para os desafios futuros.”

Nota que o movimento havia planeado a realização de um jantar-debate mensal em cada uma das freguesias  – “para estarmos mais perto das pessoas e para voltarmos a dar voz aos cidadãos” – mas, lamentou, “pelos motivos que são do conhecimento de todos, tivemos que cancelar tudo aquilo que já tínhamos agendado”.

Apesar da dinâmica quebrada pelo novo coronavírus, Vasco Damas garante que os cidadãos independentes tiveram “a capacidade de reinventar a estratégia e temos estado a trabalhar para honrar o compromisso de continuarmos a ouvir as pessoas, sentindo um apoio silencioso que vai perdendo o medo e que vai crescendo todos os dias” um trabalho que se faz muito atrás da secretária, utilizando as redes sociais faltando o essencial “olhos nos olhos” e “porta a porta” inicialmente previsto. Fica a garantia de continuar a trabalhar de acordo com as regras determinadas pela Direção Geral da Saúde de forma “a honrar o compromisso”.

Obra na Avenida D. João I, só depois do Natal

Questionado sobre a medida que tomaria, se fosse presidente da Câmara, para aliviar a situação dos empresários e comerciantes do concelho neste cenário de pandemia Vasco Damas começa por dizer que primeiramente teria de conhecer a situação financeira da autarquia, ou seja, “não sei o que fazia porque não conheço os recursos”, no entanto, “uma coisa que não fazia era ter começado as obras na Avenida D. João I em vésperas do Natal”.

“Num ano tão difícil, com a situação pandémica que vivemos, com os impactos na economia que são do conhecimento de todos, começar uma obra daquela envergadura em altura de Natal, a época comercial mais forte do ano, é um erro de planeamento e de gestão além de ter sido uma decisão tomada sem qualquer tipo de envolvimento e organização”, criticou.

O movimento ALTERNATIVAcom assinala um ano. Créditos: mediotejo.net

No momento em que assinalaram o primeiro aniversário, Vasco Damas destacou e agradeceu ainda ao jovem abrantino João Gaio e Silva, “pela colaboração e pelo trabalho que desenvolveu ao propor as ’45 ideias para a Juventude’ que serão a base do nosso programa para os jovens do concelho” e que, em tempo oportuno, será apresentado publicamente.

Também “aproveitou as nossas ideias e adaptou-as à realidade da juventude mas sempre com o princípio de aderência com a realidade, tem de ser exequíveis e trazer retorno e contribuírem para o desenvolvimento que queremos atingir. Tem algumas ideias que fazem sentido mas não inovam mas tem outras ideias que já estão a ser trabalhadas noutros lugares do País e do mundo e que são inovadoras”, revela Vasco Damas.

Durante a constituição da Associação ABRANTEScom Alternativa. Créditos: DR

Criada Associação ABRANTEScom Alternativa

Nesse mesmo dia, após a conferência de imprensa, decorreu no Cartório Notarial de Abrantes a escritura de constituição da “ABRANTEScom Alternativa – Associação para a Democracia e o Desenvolvimento”.

A Associação ABRANTEScom Alternativa, além de dar enquadramento institucional ao movimento autárquico independente ALTERNATIVAcom, tem como objeto social a promoção da cultura democrática e do desenvolvimento integral e sustentado do concelho de Abrantes, suas freguesias e populações.

A Associação propõe-se, nomeadamente, promover a identidade e a imagem de Abrantes, dentro e fora do concelho, a intervir nos órgãos autárquicos e a apoiar a candidatura de grupos de cidadãos eleitores.

O programa do ALTERNATIVAcom deverá ser apresentado publicamente no último trimestre antes das eleições autárquicas de 2021.

PUB
Paula Mourato
A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).