Tetraplégico termina protesto em frente ao Parlamento após visita de Marcelo Rebelo de Sousa

Durante o protesto de quatro dias, Eduardo Jorge espera ficar “totalmente dependente dos cuidados do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa”, e também do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva. Foto: Jorge Santiago/mediotejo.net

Eduardo Jorge, tetraplégico natural de Concavada, em Abrantes, e institucionalizado num lar de idosos na Carregueira, Chamusca, decidiu dar por terminado o seu protesto em frente à Assembleia da República no domingo à noite, depois de uma visita do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e da promessa de uma reunião com o governo já na próxima terça-feira.

PUB

Em declarações à agência Lusa, Eduardo Jorge explicou que foi visitado ao final do dia de domingo pelo Presidente da República e pela secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, a quem explicou os motivos do protesto e pediu alterações na legislação para que os problemas detetados fossem resolvidos.

“O Presidente apareceu e disse que estava ali para me ouvir e eu expliquei que tinha também convidado a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência. Entretanto, ela chegou, dirigiram-se a mim e eu expliquei quais eram as minhas maiores preocupações, que é a demora da implementação do projeto de vida independente e o facto de não haver a transição que sempre propusemos para que nós, pessoas institucionalizadas, pudéssemos da melhor maneira optar pela vida independente”, explicou Eduardo Jorge.

Eduardo Jorge, tetraplégico, decidiu entregar-se ao cuidado de governantes. Foto: DR

Durante o seu protesto, em que permaneceu enjaulado e recusou aceitar a ajuda de qualquer outras pessoas além do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do primeiro-ministro, António Costa, ou do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, o tetraplégico pretendeu chamar a atenção para a importância da Vida Independente e o quanto os cidadãos nas suas condições de saúde são “inúteis” sem a necessária assistência.

“A prometida Vida Independente, criada pelo Decreto Lei nº 129/2017 de 9 de outubro, continua a não sair do papel, pelo que eu, e muitas outras pessoas com deficiência continuamos presos nas nossas casas e em lares de idosos contra a nossa vontade”.

PUB

Como ativista dos direitos das pessoas com deficiência, e responsável pelo blog tetraplegicos.blogspot.com e pelo movimento nas redes sociais “Nós Tetraplégicos”, Eduardo Jorge já realizou várias ações de sensibilização e protesto, como uma greve de fome, em 2013, e uma viagem de 180 kms em cadeira de rodas, durante 3 dias, em 2014.

*Com Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here