Médio Tejo | Seis autarquias ‘Familiarmente + Responsáveis’ em 2016

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis distinguiu, em mais uma edição, seis municípios da região do Médio Tejo enquanto Autarquias + Familiarmente Responsáveis, uma iniciativa que pretende premiar as autarquias que desenvolvem uma eficaz política de apoio e ajuda às famílias mais numerosas. Abrantes, Mação, Sardoal, Torres Novas, Tomar e Vila de Rei são os galardoados do ano de 2016, sendo que, em alguns casos, o título é renovado há 3 ou mais anos consecutivos.

PUB

Caso da CM de Vila de Rei e da CM de Torres Novas, que renovam esta distinção pelo oitavo ano consecutivo, estando em destaque a nível nacional junto de municípios como Cascais e Braga. No ranking mediotejano, destacam-se também Abrantes pelo quinto ano consecutivo e Mação pelo quarto, que recebem igualmente bandeira com palma, a distinção máxima como reconhecimento por mais de 3 anos de atribuição consecutiva do mesmo galardão.

Sardoal recebe a sua segunda distinção, enquanto Tomar se estreia nesta listagem de autarquias “Familiarmente + Responsáveis”, tendo-lhe sido atribuída bandeira verde pela primeira vez, tal como outros 15 municípios estreantes.

O número de autarquias distinguidas a nível nacional subiu de 41, em 2015, para 58. Segundo o jornal Público, Lisboa lidera nos distritos com mais municípios premiados (18%), seguido de Coimbra (14%), Santarém (12%) e Guarda (9%).

Refira-se que o Observatório de Autarquias Familiarmente Responsáveis foi criado pela Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN). Anualmente é realizado um inquérito junto de todos os municípios do país para fazer um levantamento exaustivo de todas as boas práticas existentes.

Para a atribuição da bandeira verde de “Autarquia + Familiarmente Responsável” são avaliadas áreas como o apoio à maternidade e paternidade, apoio às famílias com necessidades especiais, serviços básicos (consideração do agregado familiar na cobrança de água e saneamento, por exemplo) e educação e formação.

Também a habitação e urbanismo, transportes, saúde, cultura, desporto, lazer e tempo livre, cooperação e participação social, facilitadores (como gabinete da família ou cartão de família numerosa) e medidas de conciliação entre trabalho e família foram outros fatores ponderados.

As boas práticas das autarquias para com os seus funcionários autárquicos em matéria de conciliação entre trabalho e família são também tidas em conta neste inquérito, de participação voluntária.

A APFN decidiu criar um Observatório de Autarquias Familiarmente Responsáveis com os objetivos de dar visibilidade às autarquias que se destaquem neste âmbito; Potenciar a experiência obtida por uns municípios em benefício dos outros; colocar ao dispor das autarquias uma equipa pluridisciplinar, constituída essencialmente por pessoas da área da sociologia, psicologia, assistência social e familiar e economia que, com experiência nos âmbitos da família e das autarquias possam contribuir positivamente para a avaliação de medidas nesta área, quer previamente quer a posteriori.

A cerimónia de entrega das bandeiras da edição de 2016 realiza-se no dia 7 de dezembro, no Auditório da sede da Associação Nacional de Municípios, em Coimbra.

COMPARTILHE
Abrantes ↔ Portalegre. Licenciada em Jornalismo. Quer estudar até ser velhinha. Gosta de escrever até gastar a tinta da caneta, isto ao som de boa música. Quando tiver a sua casa quer encher as paredes com estantes de livros. Adora a natureza, nutre um carinho especial pelos animais. Acredita que fotografar liberta a alma. Crê num jornalismo puro, sério e de proximidade. Gosta de contar histórias e eternizar memórias. E não se vê a fazer outra coisa.
Artigo anterior“Chuva de Estrelas”, por Armando Fernandes
Próximo artigoConstância | Feira do livro regressa esta semana à Vila Poema

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here