Donos da Fabrióleo desmentem agressão a ambientalista

Foto: DR

O filho e o proprietário da empresa Fabrióleo negaram hoje, através da sua advogada, terem agredido um ambientalista em Torres Novas.

PUB

O dirigente do movimento SOS Tejo, Arlindo Marques, apresentou uma queixa na PSP alegando que a sua viatura foi abalroada na segunda-feira, 25, pelo filho do dono desta fábrica, confirmou hoje ao mediotejo.net fonte da polícia.

O ambientalista contou que o acidente ocorreu enquanto filmava um caso de poluição numa ribeira e que no local se encontrava também o seu filho, de 10 anos.

Num comunicado enviado ao nosso jornal, a advogada Ana Rita Duarte Campos, da Sociedade de Advogados Morais Leitão, Galvão Teles e Soares da Silva, com sede em Lisboa, diz não ser verdade que Arlindo Marques tenha sido agredido por algum dos seus constituintes.

“Não é igualmente verdade que o seu carro tenha sido abalroado intencionalmente nem que no local se encontrasse uma criança”, afirma, no mesmo comunicado.

A advogada confirma, contudo, a existência de um “acidente”, envolvendo Pedro Gameiro da Silva (gerente da empresa) e Arlindo Marques na estrada que liga Meia Via a Torres Novas, adiantando que o seu constituinte Pedro Gameiro da Silva se deslocou ao local após chamada do pai, António Gameiro da Silva (administrador e proprietário da empresa) que estava ao pé do ambientalista quando este filmava.

“Na verdade, no dia de ontem [segunda-feira], na estrada que liga a localidade Meia Via a Torres Novas, ocorreu efetivamente um acidente de viação no qual intervieram Pedro Gameiro da Silva e Arlindo Marques. Importa, todavia, salientar que se tratou de um acidente, ocorrido num momento em que aquele meu constituinte se deslocou ao local após ter sido chamado, por telefone, por António Gameiro da Silva, que fora agredido, enquanto recebia ameaças, por Arlindo Marques”, escreve a advogada.

Arlindo Marques, 50 anos, disse ao mediotejo.net ter sido “agredido no peito pelo dono da empresa e alvo de tentativa de linchamento pelo seu filho”, como “represália” pela sua atividade de denúncia de descargas ilegais das fábricas nos cursos de água da região.

O dirigente do movimento SOS Tejo Arlindo Marques disse ainda que instruiu o seu advogado para apresentar queixa nas autoridades competentes.

A advogada de António e Pedro Gameiro da Silva, por sua vez, refere que “os factos” que descreveu “estão devidamente referidos e demonstrados na participação criminal que dará entrada nos serviços competentes do Ministério Público”.

O apuramento da verdade dos factos apresentados por ambas as partes ficará, agora, a cargo da Justiça.

11 COMENTÁRIOS

  1. Toda a gente percebe o que aqui aconteceu mas infelizmente teme-se que a força do dinheiro se sobreponha à justiça… força neste processo Sr. Arlindo, o Tejo precisa de mais pessoas como o senhor!

  2. Que raio de acidente tão estranho. Mais estranho ainda é como foram parar esses senhores ao local onde o Arlindo estava a filmar. Espero que o ministério público faça o seu trabalho com total isenção. Sustentar seus atos parece ser, nos tempos que correm, coisa muito rara entre homens de caráter.

  3. Então o filho vai ter com o pai, que já se encontrava no local e por acidente quase que destroi o veiculo que já se encontrava estacionado ali perto.
    Eu pergunto, como é possível um veiculo ficar tão danificado e ter sido empurrado daquela maneira, se o filho apenas estava a estacionar?
    Estou farto de ver acidentes, e muito sinceramente, não me parece que tenha batido a 5 ou 10 km/h.

    Na minha opinião, o sr Arlindo acabou de arranjar uma rica dor de cabeça, e vai ter muita dificuldade em resolver esta situação.
    Quem sabe minimamente como as coisas funcionam em Portugal, já sabe quem vai ganhar este processo… e mais não digo.

  4. Esta gente julga-se acima da lei. Poluem impunemente, agridem e já estão a arranjar maneira de não pagar pelos crimes. Quando se fará justiça?

  5. Porque a Polícia Judiciária ou o SEPNA não encontram provas dos poluidores?
    Tem de haver um motivo e esse motivo não pode ser bom.
    Em Portugal há milhares de poluidores a merecer ser autoados ou presos.
    Nem para isto o estado serve?

  6. É a vergonha de pais que temos… se os advogados, juizes e legisladores tivessem um pingo de decência naquelas caras nada disto acontecia… VERGONHOSO!!!

    FORÇA ARLINDO MARQUES!

    p.s. não percebo porque é que esta noticia não aparece nos meios de comunicação nacional… mas aposto que há interesses económicos envolvidos…

  7. Será que o filho foi ao encontro do pai, tendo feito todo o trageto de marcha atrás?! Diz a advogada que ocorreu um acidente?! Até um cego vê que não foi um acidente… Ainda vao dizer que o veiculo abalroado é que bateu na traseira do outro…

  8. Claro que o homem conduz de marcha atrás e que foi um acidente! Passo a explicar: as estradas (tal como a ribeira, e por sua vez o Almonda e o Tejo), estão tão manchadas da porcaria que a Fabrióleo larga por aquelas redondezas que o coitado do homem ia com o seu Volvo numa subida e o carro perdeu a aderência e começou a escorregar pela subida abaixo, tendo ido embater violentamente com a traseira no VW (que por sua vez estava estacionado no fundo da subida). Está explicado, é por demais evidente! Não é preciso vir uma advogada de lisboa da firma tonho sequeira, albertino gonzaga, rufus brutus e associados lda. para explicar esta evidência.

  9. Só pela sociedade de advogados que defende estes corruptos terroristas ambientais, está tudo dito.. E isto não são coincidências.. Talvez das mais poderosas e influentes da vida política.. Basta ver que de lá já saíram direitinho para o parlamento a ex ministra da agricultura Assunção Cristas, entre outros sansugas deste país( os do costume)… Isto não são coincidências…..

  10. ui se fica a cargo da justiça os dois pulhas que um deles tentou matar uma criança de 10 anos vap sair em liberdade, e o povo canta e dança e assobia pro ar.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here