Abrantes | Rui Mesquita (PSD): o cargo de vereador e as razões de uma renúncia

Rui Mesquita Foto: José Bandos

O candidato do PSD à Câmara de Abrantes, Rui Mesquita da Silva, foi eleito vereador mas renunciou ao cargo dando lugar ao número dois da lista, Rui Santos, atual presidente da concelhia social-democrata. “Falta de lealdade, falta de equipa, de identidade e de apoio político” foram alguns dos motivos que levaram o empresário no ramo farmacêutico, agora reformado, a renunciar, tendo afirmado ainda “não querer ser um joguete nas mãos do PSD local”.

PUB

Apanhando de surpresa quem esperava ver Rui Mesquita assumir o cargo de vereador do PSD no dia de sexta-feira, e o não viu na sessão de tomada de posse, o empresário, de 56 anos, que substituiu o candidato inicial do PSD, António Castelbranco, a três meses do ato eleitoral, foi questionado pelo mediotejo.net sobre os motivos da renúncia ao cargo de vereador para o qual os eleitores abrantinos depositaram o seu voto.

“Depois da noite de 1 de outubro, não tive mais contacto nenhum por parte dos dirigentes do PSD de Abrantes, à exceção de Joaquim Simplício, mas já vários dias depois. Como ninguém me contactou para nada, fui eu quem contactou o presidente da concelhia, Rui Santos, para saber o que queriam fazer com a minha pessoa, tendo em conta que fui eleito vereador. Pediram-me para suspender o mandato mas não renunciar, por questões estratégicas ligadas à oposição interna. Não aceitei e a renúncia é decisão minha. Não quis ser joguete nas mãos do PSD local e decidi renunciar ao cargo”, afirmou, tendo referido ainda “falta de lealdade, falta de equipa, de identidade e de apoio político”.

“Não sou político mas concorri e dei a cara pelo PSD a bem da comunidade local. Agora, o que não admito é falta de lealdade, mas a mais quando assumi o cargo de candidato e cabeça de lista depois da demissão de Castelbranco. Saio de cena e saio desiludido com as pessoas”, afirmou, tendo acrescentado ir “repensar o futuro”.

Rui Mesquita concorreu como independente nas listas do PSD à Câmara Municipal de Abrantes, substituindo na corrida eleitoral o arquiteto António Castelbranco, que pediu substituição na candidatura por motivos profissionais, foi anunciado no início de julho. Rui Mesquita era o candidato do PSD à Assembleia Municipal de Abrantes.

PUB

“A CPS/PSD de Abrantes vem, por este meio, comunicar que o seu candidato à Câmara Municipal de Abrantes, Arq. António Castelbranco, pediu a sua substituição. Por motivos imprevistos, que se prendem com as suas obrigações e responsabilidades perante Portugal e a União Europeia, o Arq. António Castelbranco deixou, infelizmente, de ter disponibilidade para assumir a enorme responsabilidade de ser candidato pelo PSD à Câmara de Abrantes”, pode ler-se no comunicado do PSD de Abrantes, enviado às redações a 2 de julho.

Com a mudança de candidato à Câmara, mudou também o nome do candidato à Assembleia Municipal, sendo João Salvador Fernandes a assumir-se como cabeça de lista do PSD a este órgão.

Em declarações ao mediotejo.net, à margem da cerimónia de instalação dos órgãos municipais em Abrantes, Rui Santos disse que “em primeira instância é uma decisão pessoal do nosso cabeça-de-lista, Rui Mesquita” e que está também relacionada “com questões políticas internas. Uma estratégia que a Comissão Política apontou para os próximos quatro anos que culminou com a minha tomada de posse”.

E a estratégia passa pelo entendimento de ser Rui Santos a pessoa “que irá personalizar aquilo que o PSD defendeu nestas autárquicas e para os quatro anos de mandato”, explicou.

Sem esclarecer se já existia uma pré intenção de Rui Mesquita renunciar ao cargo de vereador se não fosse eleito presidente de Câmara de Abrantes, Rui Santos refere que “após a noite das eleições, quer Rui Mesquita quer a Comissão Política do PSD, refletiu sobre os resultados eleitorais” chegando ao atual entendimento.

Questionado sobre se é recandidato à presidência da Comissão Política Concelhia do PSD de Abrantes, Rui Batista dos Santos recusar pronunciar-se até ao dia das eleições. “Não falo sobre assuntos internos, não falarei até à noite de dia 21” de outubro.

*C/Paula Mourato

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here