Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Agosto 3, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VOZ AOS AUTARCAS: Jorge Manuel Alves de Faria

Entroncamento – Uma Cidade para as Pessoas

- Publicidade -

Jorge Manuel Alves de Faria, presidente da Câmara Municipal do Entroncamento

O Entroncamento goza de uma localização estratégica no centro do país, e cuja história, crescimento e desenvolvimento se deveu ao comboio. A localização privilegiada, a forte identidade em torno da ferrovia, uma espécie de ADN social, constituem características que nos diferenciam enquanto comunidade e constituem uma valia competitiva no confronto com outras cidades e outros territórios.

- Publicidade -

Com uma área de apenas 13,7 km2, o Entroncamento é um dos concelhos com maior densidade populacional do país e é constituído pelas freguesias de São João Baptista e de Nossa Senhora de Fátima.

Ao contrário da região, que apresenta uma tendência de decréscimo populacional, o município do Entroncamento apresentou neste último censo um aumento populacional muito acima da média nacional e sobretudo da média da região onde se insere. Em dez anos a população cresceu 11,2%.

O concelho regista um índice de envelhecimento (112,3) claramente inferior ao padrão regional e nacional.

A afirmação do Entroncamento como um concelho denso e eminentemente urbano é igualmente refletida no elevado nível de qualificação dos recursos humanos, pois cerca de 49% da população residente com uma atividade económica detém habilitações de nível médio/superior, superior à média nacional e do Médio Tejo que é de 37 por cento.

A população residente no Entroncamento regista um poder de compra superior a média nacional em cerca de 10%, é mesmo o único concelho da região acima do padrão médio do país.

Do ponto de vista socioeconómico, a quebra do número total de trabalhadores ao serviço nos estabelecimentos do Entroncamento entre 2010 e 2012, menos 1374 trabalhadores (-22%), é indissociável do declínio da atividade económica e reforça a característica do Entroncamento como “emissor líquido” de mão-de-obra para outros concelhos, que procuramos alterar.

Se, por um lado, a concentração populacional e de poder de compra sublinham a atratividade territorial do Entroncamento, a quebra da atividade económica e a perceção de um território relativamente desordenado e congestionado continua a marcar a vivência diária dos residentes no Entroncamento e constituem importantes desafios para o futuro.

A centralidade do Município do Entroncamento no contexto nacional e no Médio Tejo, se associada ao investimento necessário para incrementar a facilidade na ligação entre as infraestruturas ferroviárias e rodoviárias existentes, pode potenciar, na nossa opinião, o desenvolvimento dos parques de logística existentes e a fixação de novos negócios, nomeadamente relacionados com o potencial aportado pela ferrovia, contribuindo para transformar o Município do Entroncamento num eixo empresarial e logístico do Médio Tejo.

Foi tendo presente o contexto referido que desenvolvemos o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano – PEDU 2020, que se traduz na definição de quatro grandes eixos estratégicos que sustentam a nossa visão para o Entroncamento.

Eixo 1 – Consolidar uma Cidade para a pessoas – Fechar o ciclo do dormitório e abrir o ciclo do espaço urbano atrativo, usando a capacidade de atração populacional do concelho como argumento para sustentar uma reorientação progressiva em qualidade do modelo de vida oferecido, melhorando as condições de vida do público-alvo jovem e instruído que já reside no concelho.

Eixo 2 – Promover o “Desenvolvimento económico, emprego e inovação”- A “Cidade Ferroviária” deverá ser potenciada enquanto marca distintiva e transversal, promovendo também ao nível dos negócios uma identidade própria que diferencie e valorize o Município do Entroncamento. O Município do Entroncamento deverá tirar partido das acessibilidades rodoviárias e ferroviárias de que dispõe para transformar o Município do Entroncamento num eixo empresarial e logístico do Médio Tejo.

Eixo 3 – Promover a coesão social e cidadania – Permitir a todos os cidadãos gozarem de igualdade de oportunidades e de acesso à cidadania ativa, à qualificação e educação e à inserção social e profissional. Pretende-se criar mecanismos em parceria com as várias instituições públicas e privadas facilitadoras do espírito empreendedor.

Eixo 4 – Cidade Sustentável e Inteligente – Promover os objetivos do desenvolvimento sustentável e da estratégia «Europa2020» apoiando a transição para uma economia de baixo teor de carbono em todos os setores. Racionalizar os consumos energéticos nas redes de equipamentos públicos e coletivos com adoção de políticas de eficiência energética. Este eixo visa, ainda, melhorar as acessibilidades, potenciando as soluções coletivas mais saudáveis e amigas do ambiente.

O Entroncamento é uma cidade com vida. Visite-nos.

Presidente da Câmara Municipal do Entroncamento

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome