Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Voz aos Autarcas: Anabela Freitas – Tomar

Tomar, o concelho de Tomar, celebrou há poucos dias o início da edificação do Castelo Templário, comemorando os 856 anos duma obra indispensável para o crescimento e segurança do reino.

- Publicidade -

A linha do Tejo, mesmo após a conquista de Lisboa e Santarém aos mouros (1147), mantinha-se permeável a alguns avanços mais temerários dos anteriores governantes, ciosos de recuperar territórios que a reconquista cristã lhes havia tomado, não sendo por isso de estranhar que o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, quisesse estabelecer um eixo de fortificações que impedissem tais investidas.

Os cavaleiros Templários eram, desde há algum tempo, o braço armado de confiança do soberano de Portugal a quem haviam sido concedidos muitos privilégios e, após a vitória em Alcácer do Sal, Gualdim Pais foi investido como seu 6º Mestre. Na sequência dessa vitória é feita à Ordem a doação dos territórios de Ceras, nos quais virá a ser construído o Castelo, a que D. Gualdim Pais dará foral em 1162.

- Publicidade -

Longe estaria o Mestre de pensar que, volvidas três décadas e quando já tinha a honrosa idade de 72 anos, teria de defender do inimigo a praça em que estabelecera a sede portuguesa dos Templários. Com os seus homens irá protegê-la e repelir com valentia e heroicidade o ataque de Almançor, em 1190. Iniciado a 13 de Julho, após seis dias de cerco e saque nos campos limítrofes, os invasores foram obrigados a abdicar dos seus intentos tão aguerrida e corajosa foi a resistência templária.

É este facto histórico que o Município, a cidade/concelho, contando com a parceria de uma série de relevantes entidades, tais como o Convento de Cristo, o Instituto Politécnico de Tomar e a ADIRN, entre outras, irá celebrar a partir de este ano na Festa Templária, que decorrerá de 7 a 10 de julho (em 2016). Temos uma identidade e não temos nada que nos faça envergonhar dela, bem pelo contrário, devemos dignificar as nossas raízes com a honra que elas merecem.

Presidente da Câmara Municipal de Tomar

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here