Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Setembro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Volta | Marque reencontrou-se com a amarela na etapa que ligou Sertã à Torre

Alejandro Marque reencontrou-se hoje com a camisola amarela da Volta a Portugal, com o galego a exibir o maior sorriso do pelotão na Torre, numa vitória que expôs as debilidades dos ciclistas de W52-FC Porto e Efapel.

- Publicidade -

Passou demasiado tempo desde a última vez que o galego da Atum General-Tavira-Maria Nova Hotel venceu, mais concretamente três temporadas, e ainda mais desde que vestiu pela última vez a amarela da Volta a Portugal, mas, oito anos depois de subir ao pódio final como vencedor da Volta2013, ‘Alex’ demonstrou toda a sua classe para conquistar o terceiro triunfo na prova, o primeiro em montanha.

“É um reencontro. A verdade é que quando subi ao pódio e voltei a olhar para a amarela… são sentimentos que realmente tiveste no passado e voltas a reencontrar. São dessas coisas que nunca se esquecem”, assumiu, ainda incrédulo com o feito que tinha acabado de alcançar: “este é o dia com que sempre sonhei. Vencer aqui em cima é o desejo de qualquer ciclista que está na Volta a Portugal.”

- Publicidade -

Entretidos a vigiarem-se entre si, os homens da W52-FC Porto e da Efapel menosprezaram o ataque de Marque e pagaram cara a arrogância, sendo derrotados pelos galegos da equipa de Tavira – Gustavo Veloso leu na perfeição a corrida e ‘atrapalhou’ movimentações de ‘dragões’ e ‘amarelos’ – e estando, para já, a distâncias que seriam impensáveis no início da terceira etapa.

Veloso, que foi quinto na etapa a 01.12 minutos, é segundo na geral, a 1.09 minutos, enquanto o primeiro ‘portista’, Joni Brandão, empatado em tempo com o colega Amaro Antunes, é terceiro, a 1.26 minutos do novo líder da geral.

A Efapel foi derrotada em toda a linha, porque, apesar de Mauricio Moreira ter sido segundo na etapa a 1.03 minutos, o uruguaio foi penalizado em 40 segundos por ser repetente no abastecimento irregular – a equipa voltou a repetir um erro de amadores que já cometeu no ano passado – e António Carvalho e Frederico Figueiredo, que esteve bastante ativo nas respostas aos ataques dos ‘dragões’, estão já, respetivamente, a 1.37 e 1.46.

A ‘etapa rainha’ da Volta a Portugal foi notícia antes mesmo de as bicicletas começarem a rolar para os 170,3 quilómetros entre a Sertã e o ponto mais alto de Portugal continental: a confirmação de dois casos de covid-19 na Caja Rural e o abandono da equipa espanhola causaram ansiedade em toda a caravana, nomeadamente nos ciclistas da W52-FC Porto e do Atum General-Tavira-Maria Nova Hotel, submetidos a testes rápidos a menos de uma hora do início da tirada.

O ciclista Alejandro Manuel Marque© Nuno Veiga/Lusa

O susto, felizmente, não passou disso mesmo – a tensão dos corredores era ‘palpável’ nos ‘longos’ minutos de espera até à receção do resultado negativo – e o pelotão pôde seguir o seu caminho, com a fuga do dia a formar-se logo ao quilómetro zero.

Iker Ballarin (Euskaltel-Euskadi), Juan López-Cózar (Burgos-BH), Bruno Silva e Rafael Silva (Antarte-Feirense), Marcelo Salvador (LA Alumínios-LA Sport), Edo Goldstein (Israel Cycling Academy), Pedro Paulinho (Tavfer-Measindot-Mortágua), Rui Rodrigues (Louletano-Loulé Concelho), César Fonte (Kelly-Simoldes-UDO) e o seu companheiro Luís Gomes e Hugo Nunes (Rádio Popular-Boavista), respetivamente vencedor da regularidade e ‘rei da montanha’ de 2020, construíram uma vantagem que ultrapassou os seis minutos.

Esses são os nomes que a Torre esqueceu, a partir do momento em que Luís Gomes se destacou e chegou ao início dos 20,2 quilómetros de subida, na Covilhã, com quatro minutos de vantagem, já depois de o inesgotável Luís Mendonça (Efapel), que comandou o pelotão em solitário durante dezenas de quilómetros, ter terminado o seu trabalho.

A Torre apareceu imponente no horizonte, ‘polvilhada’ de espetadores – e foram talvez milhares os que escolheram a Volta como programa ideal para um sábado à tarde -, momento escolhido pela W52-FC Porto para iniciar o seu trabalho.

O primeiro dos favoritos a ‘estourar’, a uns distantes 17 km da meta e quando Rafael Reis já se tinha despedido da amarela, foi Vicente García de Mateos (Antarte-Feirense) – um verdadeiro ‘flop’ pelo segundo ano consecutivo -, mas vários passaram por dificuldades, inclusive o próprio vencedor da etapa, na sucessão de ataques da W52-FC Porto, sempre correspondidos pela Efapel – Carvalho foi aquele que pior passou, a par de João Benta (Rádio Popular-Boavista), que perdeu 2.53 minutos.

Marque foi o primeiro a abrir um verdadeiro fosso para o grupo de favoritos, a nove quilómetros da meta. Contrarrelogista de excelência, o galego aproximou-se rapidamente de Luís Gomes, que ainda seguia isolado, galgando quilómetros numa fase mais plana, e juntou-se ao português a quatro quilómetros do alto, isolando-se pouco depois, para só parar na meta, com o tempo de 4:59.10 horas.

Abner González (Movistar) foi terceiro, com o mesmo tempo de Moreira, mas também foi penalizado em 20 segundos por abastecimento irregular, e foi despromovido a quinto na geral.

No domingo, o galego de 39 anos terá o primeiro teste à sua liderança, nos acidentados 181,6 quilómetros entre Belmonte e a Guarda, com a meta a coincidir com uma contagem de montanha de terceira categoria.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome