Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Outubro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha | Residências Artísticas acolhem este verão 13 autores

Até 30 de setembro, 13 artistas selecionados para o projeto “Residências Artísticas” vão desenvolver os seus projetos em Vila Nova da Barquinha. São eles: Daniel Fernandes, Francisco Correia, Isabel Dantas, Alexandre José, Frederico Dinis, Margarida Correia, Valter Ventura, Ricardo Raminhos e Paulo Alexandre (dupla), Sandro Ferreira, Ana Santos e Natacha Suelli (dupla), e Akira Lemos.

- Publicidade -

Em nota de imprensa, a Câmara Municipal explica que a iniciativa, com início a 1 de junho, pretende incentivar a criação e discussão da arte, no âmbito do Parque de Escultura Contemporânea Almourol (PECA) e todos os projetos associados, nomeadamente o Centro de Estudos de Arte Contemporânea (CEAC) e a Galeria do Parque, que recebe diversas exposições ao longo do ano com curadoria da Fundação EDP”.

Pretende-se que os autores selecionados desenvolvam projetos alusivos às memórias e tradições do concelho, estórias e acontecimentos emblemáticos que fazem parte da história local, ou dão continuidade a trabalhos que têm vindo a desenvolver.

- Publicidade -

Este projeto, iniciado em 2015 em parceria com a Fundação EDP e o Instituto Politécnico de Tomar (IPT), tem realizado anualmente residências de curta duração que levam ao concelho artistas para desenvolver ações tendo em vista a discussão contemporânea, a dinamização da criatividade e a divulgação e intercâmbio com a comunidade, em diversas áreas artísticas como desenho, pintura, fotografia, vídeo, escultura, teatro, música, escrita criativa, entre outras.

Os trabalhos desenvolvidos ao longo do verão serão apresentados em outubro, no Centro Cultural de Vila Nova da Barquinha, no evento “Conversas 6.0”, um encontro em torno da arte que pretende dar o mote para o despertar de futuros artistas.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome