Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha | Paulo Tavares fala de passado e futuro do PPIP no agrupamento de escolas

O concelho teve um ano letivo para se habituar às mudanças trazidas pelo PIPP – Projeto Piloto de Inovação Pedagógica e em 2018/19 continuam os hexaciclos, a avaliação formativa e o calendário com dois semestres. Até aqui, nada de novo. No entanto, há mais para dizer sobre este programa pioneiro de combate ao insucesso escolar da DGE e decidimos saber como correu o primeiro ano de implementação, assim como as novidades, numa entrevista a Paulo Tavares, diretor do Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha.

- Publicidade -

- Publicidade -

O segundo ano de implementação do PIPP – Projeto Piloto de Inovação Pedagógica arrancou juntamente com o regresso às aulas dos alunos do Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha. Uma nova etapa do processo iniciado em 2016 quando a Direção-Geral da Educação (DGE) convidou seis agrupamentos a nível nacional para implementar o novo programa de combate ao insucesso escolar nos anos letivos de 2017/18 e 2018/19 e que trouxe mudanças para toda a comunidade escolar.

Cada agrupamento de escolas desenvolveu o seu modelo e, no caso de Vila Nova da Barquinha, foram feitas diversas alterações, em articulação com a DGE, e as principais diferenças em relação ao modelo de educação tradicional sentiram-se ao nível dos ciclos de escolaridade, das formas de avaliação e acompanhamento dos alunos e na divisão do calendário escolar.

- Publicidade -

Paulo Tavares, diretor do Agrupamentp de Escolas de Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

No primeiro caso, criaram-se os hexaciclos, dois ciclos que abrangem seis anos de escolaridade (o primeiro abrange do primeiro ao sexto anos e o segundo inclui os alunos do sétimo ao décimo segundo anos). No segundo caso, surgiu a avaliação formativa e o percurso escolar dos estudantes passou a ser acompanhado pelos pais através de uma plataforma informática. Por fim, os três períodos letivos passaram a dois semestres.

As mudanças foram anunciadas no início do ano letivo 2017/18 e voltaram a ser notícia neste mês de setembro, quando os alunos regressaram às aulas para o ano letivo 2018/19. No entanto, quisemos saber mais sobre o passado e o futuro do PIPP no concelho junto de quem conhece bem este programa de combate ao insucesso escolar e entrevistámos Paulo Tavares, diretor do Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha.

mediotejo.net (MTnet): Que balanço global faz do primeiro ano letivo em que o PIPP foi aplicado no Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha?

Paulo Tavares (PT): O balanço é muito positivo, tendo obtido um feedback muito satisfatório, por parte de todos os envolvidos nos processos de ensino e de aprendizagem.

No primeiro semestre registou-se uma subida das médias escolares relativamente ao ano letivo anterior. A tendência manteve-se no segundo semestre?

Sem dúvida, os resultados escolares são evidentes! Somente um aluno não obteve transição, no segundo ano de escolaridade do primeiro hexaciclo. Além disso, houve uma melhoria substancial em termos de qualidade do sucesso educativo.

A nossa meta era de aumentar em 4% as menções de Bom (4) e Muito Bom (5) e superamos em muito esta meta. Os números falam por si e estamos muito satisfeitos, pois sempre foi o nosso propósito maior impulsionar a qualidade do sucesso educativo.

Em que áreas se sentiram maiores mudanças durante o ano letivo 2017/18? Quais foram os principais desafios e conquistas?

A maior conquista, sem dúvida, foi a avaliação formativa, de cariz regular e sistemático, mediante uma aplicação informática, onde os pais/encarregados de educação e alunos podem consultar o seu desempenho escolar, em todas as áreas curriculares. Por sua vez, a semestralização revelou-se eficaz e eficiente nos processos educativos.

Uma palavra de apreço ao Município de Vila Nova da Barquinha, nas pessoas do sr. Presidente, Dr. Fernando Freire, e da sra. Vereadora, Dra. Marina Honório, pela colaboração nas respostas necessárias à otimização deste processo.

A avaliação formativa implica um maior envolvimento das famílias, nomeadamente através da aplicação informática que permite aos pais acompanhar o percurso escolar dos filhos, e é acompanhada pelos Contratos Pedagógicos Individuais, em que são estabelecidos objetivos para cada aluno. Essa proximidade teve resultados práticos?

Em todos os contextos educativos, o agente Família é uma peça fundamental. O seu envolvimento é determinante para que haja Sucesso. Os pais têm de ser esclarecidos, informados e envolvidos em todas as medidas subjacentes ao Nosso Projeto Piloto de Inovação Pedagógica.

Estou sempre disponível para receber e dialogar com todos! Mais, a Escola é uma Escola aberta, as estruturas intermédias são dinâmicas e pró-ativas. A Escola é de Todos e Para Todos. Trata-se da identidade do Agrupamento…todos são pertença desta casa!

No final do ano letivo anterior foi realizado um inquérito a toda a comunidade escolar. Em que áreas incidiu e quais foram os resultados?

Todas as áreas do PPIP foram alvo de auscultação neste inquérito destinado aos alunos, professores, encarregados de educação e funcionários. Os resultados foram muito satisfatórios, registando-se que mais de 50% dos inquiridos assinalaram uma taxa de satisfação igual ou acima de 4, numa escala de 1 a 5.

Para nós, é com imenso orgulho que constatamos estes resultados. São fruto de todo o empenho da comunidade escolar, em sentido mais restrito, e da comunidade educativa, em sentido mais lato.

O modelo do PIPP desenvolvido e aplicado neste agrupamento de escolas sofre alguma alteração entre o ano letivo anterior e o que agora começou?

De um modo geral, as medidas constantes no PPIP mantêm-se, no presente ano letivo. A matriz curricular é a mesma, havendo um alargamento das TIC, em outros níveis de educação e algumas inovações, em termos de avaliação formativa por domínios.

No âmbito da metodologia de trabalho de projeto, estamos a implementar um trabalho de articulação inter-turmas, de 7.º ano de escolaridade do segundo hexaciclo, na disciplina de Projeto Para Todos, onde cada aluno poderá e deverá escolher o grupo/tema/projeto a desenvolver, mediante o seu perfil e motivações pessoais, independentemente da turma a que pertence.

Que outras novidades vão marcar o ano letivo 2018/19 neste agrupamento de escolas?

Relativamente ao próximo ano letivo, pretendemos essencialmente continuar com o nosso enfoque de atuação: o mais importante são as crianças e os alunos e é por eles e para eles que trabalhamos, tendo sempre como Lema “Aprendizagens significativas de e com qualidade, visando o Sucesso Educativo de Todos”.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome