Segunda-feira, Março 1, 2021
- Publicidade -

VN Barquinha | Manuel Gandra nomeado Curador do Centro de Interpretação de Almourol

Por proposta do presidente da Câmara de Vila Nova da Barquinha, Fernando Freire, foi aprovada na reunião do dia 14 de novembro a nomeação de Manuel J. Gandra  como Curador da Biblioteca-Arquivo do Centro de Interpretação de Almourol e do Centro de Interpretação de Almourol, novo equipamento cultural a inaugurar no domingo, dia 18.

- Publicidade -

- Publicidade -

A nomeação para o cargo, não remunerado, tem em conta que o projeto necessita de acompanhamento a nível de exposições temporárias e de todos os seus conteúdos, da produção de catálogos e de edições e das diferentes iniciativas que venham a decorrer após a sua inauguração.

Manuel J. Gandra nasceu em Lisboa a 27 de outubro de 1953 e tem dedicado a sua vida à investigação histórica designadamente sobre os Templários.

- Publicidade -

Licenciado em Filosofia, pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa (1979), Manuel J. Gandra é investigador especialista em diversas áreas do conhecimento, tais como: História e Geografia Míticas de Portugal, Filosofia Hermética, Iconologia da Arte Portuguesa, Emblemática e Cultura e História Mafrenses. Lecionou nos Ensinos Preparatório e Secundário, bem como na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Foi Coordenador dos Serviços de Cultura da Câmara Municipal de Mafra (entre 1989 e 2003), Diretor do Centro de Documentação e Informação de História Local do Concelho de Mafra (entre 2006 e 2010) e Diretor Científico da Biblioteca António Quadros – IADE-U (entre 2000 e 2016).

Foi Comissário de diversas exposições e mostras, designadamente, da Exposição Mafra – do Regicídio ao 5 de Outubro, destinada ao Palácio Nacional de Mafra e integrada nas Comemorações oficiais do Centenário da Implantação da República (2010). Presentemente é Professor no IADE- Universidade Europeia, bem como colaborador da UNIDCOM e do CLEPUL (Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa). Dirige o Centro Ernesto Soares de Iconografia e Simbólica, que fundou no ano de 1997. E convidado assíduo de diversas séries do Canal História. Membro do Conselho Consultivo dos periódicos Nova-Águia (Portugal) e diretor do periódico científico Mito, Símbolo e Tradição. Tem colaboração dispersa em vários periódicos, salientando-se: Boletim Cultural de Mafra, Região Saloia, Idade da Imagem, Nova Águia, Cadernos da Tradição – História e Identidade dos Povos de Língua Portuguesa (1ª, 2ª e 3ª séries); Boletim do Centro Ernesto Soares de Iconografia e Simbólica, entre outros.

É ainda  autor de uma vasta bibliografia sobretudo sobre a temática Templária.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).