Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha: Jovens empreendedores apresentaram projetos

O auditório do Escola D. Maria II encheu-se de jovens empreendedores na passada quinta-feira, dia 17, para apresentarem as empresas criadas no âmbito da iniciativa Empreendedorismo na Escola. O número de projetos duplicou em relação ao ano passado e a motivação nas apresentações dos novos produtos e serviços prenuncia um futuro promissor para o concelho.

- Publicidade -

- Publicidade -

“De pequenino é que se torce o pepino”, a frase proferida por Ana Santos, subdiretora do Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha, durante a apresentação dos projetos de empreendedorismo caraterizou o perfil empreendedor dos alunos que poderá contribuir para o desenvolvimento do concelho a médio e longo prazo. Os esforços dos adultos para estimular esta faceta nos mais jovens tem sido um caso de sucesso e os quatro projetos apresentados em 2014/15 duplicaram nesta segunda edição da iniciativa Empreendedorismo na Escola.

DSCF3234
Paulo Tavares, diretor do Agrupamento de Escolas, Ana Santos, coordenadora do VEAE, e Fernando Freire, presidente da autarquia, deram início à apresentação dos projetos

- Publicidade -

O espírito que prevalecia no auditório da Escola D. Maria II era o de que o pepino pode gerar lucro se for explorado de forma criativa, tal como todas as ideias que em que se decida apostar com empenho. Sabonetes, velas, capas de cadernos, porta-chaves, pins, comunicação, turismo, novas tecnologias, azeite e chocolate são produtos e serviços aparentemente banais, mas os jovens empreendedores garantiram abordagens inovadoras sem descurar a preocupação de promover o concelho.

Tiago, Leonor, Constança e Miguel são reincidentes no Empreendedorismo na Escola em Vila Nova da Barquinha. Para os quatro alunos do 4º A o projeto não é novidade e apresentaram as empresas em conjunto. Os primeiros dois tornaram-se relações públicas da “Chocociência” e os outros da “Vilaromática”, empresas produtoras de novidades como sabonetes e velas com o formato do Castelo de Almourol e sais de banho com aroma a bolacha-Maria ou café.

DSCF3250
Leonor e Tiago estão entre os jovens empreendedores mais novos nesta edição

As idades igualam as dos alunos responsáveis pelo projeto da turma mista do 3º e 4º C, novos no mundo do empreendedorismo. Apesar de ainda não terem a empresa oficialmente criada iniciaram a sua divulgação com a participação na II Mostra de Arte e Ciência que decorreu na Escola Ciência Viva a 15 e 16 de março. Um pouco mais velhos são Daniel, David e os dois Bernardos da “Kaderno” (lê-se “capa caderno”) que apresentaram as suas capas de proteção para cadernos reutilizáveis com um elemento gráfico alusivo ao município de Vila Nova da Barquinha.

Os projetos dos alunos do 3º ciclo também possuem uma vertente promocional do concelho através dos pins e porta-chaves personalizados do “Barquinha ON” e dos serviços de comunicação prestados pela “PIMT8”, que se destaca igualmente pela responsabilidade social ao promover eventos de cariz solidário.

DSCF3309
A “Innova Team” propõe soluções ligadas às novas tecnologias

As duas últimas empresas apresentadas no auditório da Escola D. Maria II foram criadas por alunos do secundário. Os empreendedores da “Innova Team” pertencem ao 10º ano e o prémio obtido no ano passado motivou-os a reforçar a oferta de serviços focada nas novas tecnologias com a colocação de códigos QR (Quick Response) em locais estratégicos. Por sua vez, os alunos do 11º ano do curso profissional técnico de Apoio à Gestão Desportiva aliaram a ciência à gastronomia com a “MaxPowder” e desenvolveram chocolate e azeite em pó.

Alguns elementos da plateia tiveram a oportunidade de provar o inovador azeite em pó produzido “in loco” e um deles foi Fernando Freire, presidente da autarquia, que em declarações ao mediotejo.net se revelou “orgulhoso enquanto autarca” pelo “sentimento de entrega, inovação e motivação” dos projetos de empreendedorismo. A forma como estes traduzem os esforços realizados nas áreas formativa e científica, a “solidariedade” de todas as entidades envolvidas e a identidade barquinhense dos produtos e serviços foram apontados como fatores de sucesso.

DSCF3369
Os empreendedores da “MaxPowder” demonstraram como se produz azeite em pó

As ideias de negócio apresentadas esta quinta-feira foram desenvolvidas no VEAE – Viveiro de Empresas em Ambiente Escolar, a primeira infraestrutura do género do país que celebrou o primeiro aniversário no passado dia 5 de fevereiro e envolveu cerca de 100 alunos no primeiro ano. Ana Santos, coordenadora do VEAE, salientou o empenho e a vontade dos jovens empreendedores em “ter sucesso e de vingar no concelho” e defendeu que é necessário “acreditar nestes jovens, nestas crianças que são o futuro e temos que apostar nelas no presente”.

Os oito projetos concorrem ao Prémio Municipal de Empreendedorismo em Ambiente Escolar, criado pelo município no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Económico Barquinha 2020. Os vencedores do ano passado foram divulgados no final do ano letivo e usufruirão de uma viagem até Estremoz e Elvas nos próximos dias 29 e 30 de março.

DSCF3254
A plateia esteve cheia de pequenos empreendedores e convidados

O prémio é mais um fator na forte motivação dos alunos envolvidos nesta iniciativa promovida pelo Agrupamento de Escolas em parceria com o município, a Nersant – Associação Empresarial da Região de Santarém, o Tagusvalley, a CIMT – Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, o IPT – Instituto Politécnico de Tomar e as associações de pais.

A apresentação dos projetos da segunda edição do Empreendedorismo na Escola terminou com um momento dedicado às danças de salão e a atuação do par Francisco Pedrosa e Mariana Alcobaça.

DSCF3411
O par de dançarinos Mariana Alcobaça e Franscisco Pedrosa

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome