Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Novembro 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha | Indústrias Criativas já têm espaço próprio (c/ fotos e vídeo)

A vertente artística de Vila Nova da Barquinha foi reforçada no passado domingo, dia 26, com a inauguração do Espaço das Indústrias Criativas. A Galeria de Santo António cedeu lugar à música dos violinos consertados e construídos no Atelier Judith Bauer e às cores das mascotes, figurinos, esculturas e cenários desenvolvidos no Centro de Artes Mona Martins. Um novo passo dado no âmbito do projeto “Mercado das Artes” que, segundo Fernando Feire, vai manter o ritmo com a criação de uma Cooperativa das Artes.

- Publicidade -

O edifício do novo núcleo criativo foi pequeno para os muitos convidados e curiosos presentes na inauguração, que se distribuíram pelas salas e o espaço exterior com ligação à loja de produtos locais “Sabores do Tejo” inaugurada em junho no antigo Edifício Joaninha. Quem conseguiu lugar no hall com a exposição de trabalhos de artistas locais conseguiu ouvir as palavras de Fernando, presidente da autarquia barquinhense, acompanhado neste evento pelo seu homólogo do Entroncamento, Jorge Faria.

Inauguração do Espaço das Indústrias Criativas em Vila Nova da Barquinha

Publicado por mediotejo.net em Domingo, 26 de Novembro de 2017

- Publicidade -

O mediotejo.net acompanhou o momento da inauguração em direto

Judith Bauer e Mona Martins também deram as boas-vindas ao público, que foi brindado com a atuação dos violinistas Jordi Rodriguez e David Wahnon, dos contrabaixistas Maja Plüddemann e Pedro Vares, da Fundação Calouste Gulbenkian, e do violoncelista Miguel Rocha. Um momento recheado de música e cor na antiga Escola Primária de Vila Nova da Barquinha, cuja essência regressa com os momentos formativos previstos para 2018 em ambos os ateliers.

A oferta formativa foi salientada ao mediotejo.net pelas novas inquilinas do espaço, que além dele também partilham a expressão “muito feliz” para descrever como se sentiam durante a abertura oficial do espaço e as expetativas elevadas associadas ao novo projeto. Para Mona Martins “nada melhor do que uma sala de aula para resgatar emoções” e “munir as pessoas de técnicas de construção, seja na costura, modelagem ou criação” e para Judith Bauer este é o local onde pretende “aproximar as pessoas à arte do violino”, sobretudo as crianças, pois “a música faz muito bem a toda a gente”.

O Espaço das Industrias Criativas integra o projeto “Mercado das Artes” no qual se incluem, entre outros, o PECA – Parque de Escultura Contemporânea Almourol, o CEAC – Centro de Estudos de Arte Contemporânea, a Galeria do Parque e a residência temporária para artistas. Diversos passos que têm sido dados nos últimos anos e que, segundo Fernando Freire, vão manter o ritmo com a criação de uma Cooperativa das Artes.

O novo Espaço das Indústrias Criativas está localizado na antiga Escola Primária de Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

O presidente da Câmara de Vila Nova da Barquinha considera que a nova fábrica criativa inaugurada este fim-de-semana contribui para as vertentes da visibilidade e da formação artísticas. Um projeto que espera ser “um de muitos” e contribua para o “conforto” dos artistas. Não só de quem agora ocupa o espaço da antiga Galeria de Santo António a tempo inteiro, mas de todos os outros com a criação de uma Cooperativa das Artes.

Fernando Freire esclareceu que a mesma está a ser “formatada” por “entidades privadas” no sentido de estender a criatividade local a outros equipamentos municipais que, nas palavras do autarca, devem ser devolvidos à população e aos artistas. Um dos locais avançados foi o Mercado Municipal, cuja escritura irá ser feita “dentro em breve” uma vez que o Contrato Promessa já foi celebrado.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome