Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sexta-feira, Maio 14, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha | “É tempo que a pedra se decida a florir” é mote para exposição de Luís Silveirinha

“São flores que o artista cultiva e colhe dentro da sua cabeça. Flores que vencem qualquer perigo de extinção e se multiplicam segundo a sua vontade”. É desta forma que o Município de Vila Nova da Barquinha anuncia a exposição do artista Luís Silveirinha na Galeria do Parque, com inauguração no dia 24 de abril.

- Publicidade -

- Publicidade -

Numa mostra comissariada por João Pinharanda, no âmbito da parceria da Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha com a Fundação EDP para a programação artística do Parque de Escultura Contemporânea Almourol, a Galeria do Parque vai acolher a exposição “É tempo que a pedra se decida a florir”.

Uma mostra em que “as flores e plantas não se colhem no Parque que nos espera e chama lá fora. Nem em nenhum outro Parque ou Jardim, Floresta ou Oceano do mundo que habitamos”, conforme refere João Pinharanda. “São flores que o artista cultiva e colhe dentro da sua cabeça. Flores que vencem qualquer perigo de extinção e se multiplicam segundo a sua vontade”, acrescenta.

- Publicidade -

“As plantas e flores que aqui se mostram em grandes folhas espalmadas sobre as paredes poderiam funcionar como exemplares capturados num herbário fantástico. Ao pintá-las, o artista simula a própria ação de crescimento e transformação da planta: assistimos ao registo de um alucinado processo de metamorfoses – formas que se transformam noutras formas, formas que vão para além dos limites discerníeis das formas originais. Esse processo metamórfico não se passa fora do corpo do artista, fora dos seus órgãos de visão, fora da sua capacidade de memória e imaginação, fora da sua motricidade: o artista transforma-se de cada vez que faz surgir a imagem de uma planta/flor”, é ainda referido em comunicado.

O desafio para aqueles que visitarem a exposição é o de perceber se também eles se deixam transformar ao ver as imagens artísticas imaginárias do artista. “E, se alterado o nosso estado de consciência, nos obrigam a segui-las. Se assim for, conseguiremos entrar no jardim mágico, no mundo subaquático ou aéreo, nos paraísos artificiais onde elas tão poderosamente se inscrevem”, termina João Pinharanda.

Com a inauguração marcada para 24 de abril, pelas 11h00, a exposição tem entrada gratuita e vai estar patente na Galeria do Parque até 24 de setembro de 2021. A Galeria do Parque, sita no edifício dos Paços do Concelho de Vila Nova da Barquinha, pode ser visitada de terça a sexta-feira das 11h00 às 13h00 e das 15h00 às 18h00 e aos sábados das 10h00 às 13h00 durante a vigência do Estado de Emergência, no âmbito do contexto pandémico.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome