Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Setembro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha é o único concelho do interior que não perdeu população nos últimos 10 anos

O que é que Vila Nova da Barquinha tem para ser o único concelho, entre os municípios de baixa densidade, que não perdeu população nos últimos anos? É certo que o aumento de residentes é residual, mas contraria uma tendência de quebra acentuada de população verificada em todos os outros municípios do interior.

- Publicidade -

Os dados do Instituto Nacional de Estatística revelam que Vila Nova da Barquinha tem aumentado o número de habitantes nos últimos quatro anos. É, aliás, o único concelho do interior que ganhou população em 2018 face a 2008. Constância também regista indicadores positivos nos últimos quatro anos.

São múltiplos os fatores que podem ajudar a explicar este fenómeno em Vila Nova da Barquinha. Para o presidente da Câmara, Fernando Freire (PS), a centralidade da vila (a uma hora de Lisboa e de Coimbra), as boas acessibilidades (A23 e A13), a política fiscal da autarquia que incentiva a reabilitação de imóveis, o parque escolar “de excelência”, a oferta educativa, a qualidade de vida e a segurança são argumentos que pesam na escolha para quem decide residir neste concelho.

- Publicidade -

Prova da vitalidade do município são as obras de reabilitação de casas para dar resposta à procura de habitação. Mesmo assim, a oferta não consegue acompanhar a procura e neste momento é difícil encontrar uma casa para arrendar no centro da vila.

Ali ao lado está Constância, um dos concelhos que menos perdeu população (0,27%) nos últimos 10 anos, e que regista um aumento do número de moradores nos últimos quatro anos.

População (Nº de habitantes)

 Ano VN Barquinha Constância
2018 7 402 4 002
2017 7 381 3 998
2016 7 314 3 990
2015 7 286 3 984

Fonte: Estimativa do INE

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome