- Publicidade -
Segunda-feira, Dezembro 6, 2021
- Publicidade -

VN Barquinha | Cordão Humano para ajudar a pequena Beatriz

O músico do Entroncamento Pedro Dyonysyo escreveu e compôs uma canção inspirada e dedicada à luta de uma menina com seis anos, que sofre de paralisia cerebral, Beatriz Morgado, residente em Vila Nova da Barquinha.

- Publicidade -

Está a ser filmado um vídeo clip para essa canção com a Beatriz, com o objetivo de divulgar o IBAN de conta dos pais da Bia, para que os mesmos consigam angariar fundos e assim pagar os cerca de 20 mil euros anuais que gastam nos tratamentos da filha.

Este sábado, dia 11, pelas 14h30, vai ser filmada no parque ribeirinho de V.N. da Barquinha a cena final do vídeo clip com um cordão humano que irá desenhar na relva um grande coração, onde se pretende que aterre um balão de ar quente com a Beatriz a bordo. “Pretende-se simbolizar a união e afeto de todos os participantes em torno desta causa”, refere o músico Pedro Dyonysyo.

- Publicidade -

São vários os quadrantes sociais que já se prontificaram a colaborar neste vídeo, como bombeiros, militares, motards, atores de teatro, clubes de futebol, agrupamento de escolas de V.N. da Barquinha, entre outros. A organização faz um apelo para que a comunidade em geral marque presença neste evento, que irá fazer a diferença pela Beatriz.

Esta atividade tem o apoio do município de Vila Nova da Barquinha, da Trincanela e da empresa Fábrica da Alegria.
Beatriz Morgado, ou “Pipoca” como é carinhosamente tratada, tem cinco anos e sofre de paralisia cerebral. Como se isto não bastasse sofre ainda de uma outra doença rara ainda não diagnosticada.

Por cada série de tratamentos que a menina tem de fazer, sem qualquer comparticipação pela Segurança Social ou pelo Serviço Nacional de Saúde, os pais têm de pagar cerca de 4.500 euros, dinheiro que a família não tem.
Por isso, todas as ajudas e iniciativas são bem-vindas.

Os pais disponibilizam um número de uma conta bancária para quem puder ajudar: PT50.0035.087600013521627.18

Pode aderir ao evento no facebook através do link ou aceder à página de facebook de ajuda à causa da Beatriz Morgado

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome