Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 31, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha: Clube Natação do Tejo fabrica mais dois Campeões Nacionais

Madalena Cachado e Hugo Nunes, atletas do CNTejo, sagraram-se campeões nacionais nos seus escalões no decorrer do X Open Internacional de Masters, competição que decorreu em Tomar.

- Publicidade -

- Publicidade -

No escalão A, Hugo Nunes, sagrou-se campeão ao nadar os 100 metros bruços no tempo de 1’.07’’,15.

No escalão B, Madalena Cachado, ao nadar os 50 metros mariposa com o tempo de 34’’,48, conquistou também para o clube barquinhense o título de campeã nacional.

- Publicidade -

A Associação de Natação do Distrito de Santarém (ANDS) viu-se representada neste Open pelos seguintes clubes e atletas: CNTEJO (Ana Nunes, Madalena Cachado e Hugo Nunes), SFGP (Paulo Marques, Francisco Gaspar, Bruno Lourenço e Vasco Fortunato), CCDSM (Luís Santos) e os Individuais da ANDS Cristiano Santos e Sebastião Santos.

Masters somam 55 recordes de Portugal

Adriano Niz e Elena Kraeva estiveram em destaque no X Open Internacional de Masters de Inverno em Tomar ao assegurarem novos recordes de Portugal nos 100 costas dos respetivos escalões, com as melhores ‘performances’ do Open que registou 55 recordes de Portugal.

Adriano Niz (escalão B), bateu o recorde de Portugal nos 100 costas com 57,20 segundos superando o anterior máximo de Edison Fortunato Junior, com 59,83 obtido em 31 de janeiro de 2009 em Torres Novas. O nadador do GDNVN Famalicão superou ainda os máximos de Portugal nos 200 livres, 400 livres, 50 costas, 200 estilos.

No sábado, Elena Kraeva (escalão G) havia batido o recorde de Portugal nos 100 metros costas, com 1.19,41 (1012 pontos), melhorando o anterior máximo na posse de Ana Ferreira (1.37,02) desde 21 de março de 2009 nas Caldas da Rainha. A nadadora do Colégio Monte Maior superou em Tomar um total de oito recordes de Portugal no seu escalão: 100, 200 e 400 livres, 2 vezes os 50 costas, 100 costas, 100 e 200 estilos.

De referir ainda as ‘performances’ de Jorge Faria (escalão F) nos 100 mariposa com 1.02,27 minutos (1009 pontos) e de Paulo Carvalho (escalão G) nos 400 livres (1003 pontos) com 4.48,71 (RN), nadador que somou nove recordes de Portugal: 50, 100, 200, 400 livres, 50 e 100 costas, 50 e 100 mariposa, 100 estilos.

O Open Internacional de Masters de Inverno, competição aberta a nadadores nascidos até 31 de dezembro de 1991, contou com um recorde de 514 nadadores inscritos (164 femininos e 350 masculinos) em representação de 63 clubes. O recorde de participantes registado em2016 ultrapassam o máximo da edição de 2014, na Mealhada, em que 456 masters marcaram presença.

 

Melhor performance (Tabela + 800 pontos):

 

Femininos Master Escalão A: Susana Maria Mateus (ano de nascimento 1989) Litoral Alentejano, 4 x 50m Estilos 32.55 (853).

 

Joana Marques Maia (1991) Clube de Natação da Maia, 50m Costas 32.92 (824).

 

Femininos Master Escalão B: Carolina Santos Silva (1986) Clube de Natação da Maia, 100m Mariposa 1:07.83 (831).

 

Femininos Master Escalão D: Carla Santa Barbara (1975) Futebol Clube do Porto, 200m Livres 2:19.30 (816).

 

Femininos Master Escalão G: Elena Nikolaevna Kraeva (ano de nascimento, 1961) Colégio Monte Maior, 100m Costas, 1:19.42 (1012 pontos).

 

Femininos, Master Escalão I: Ana Maria Ferreira (1950) Sport Algés e Dafundo, 400m Livres 6:18.09 (809).

 

Masculinos, Master Escalão A: 1. Francisco Maldonado Freitas (1991) Pimpões/Cimai, 400m Livres 4:22.37 (808).

 

Masculinos, Master Escalão B: Adriano Miguel Niz (1986) Grupo Desp. Natação V. N. Famalicão 100m Costas 57.20 (1019).

 

Masculinos Master Escalão B: Adriano Miguel Niz (1986) Grupo Desp. Natação V. N. Famalicão, 400m Livres, 4:03.15 (964).

 

Masculinos, Master Escalão D: Rodolfo Pereira Nunes (1973) Clube Aquático Pacense 50m Bruços 30.95 (865); Rodrigo Marques Costa 76 Litoral Alentejano 100m Bruços 1:09.40 (845).

 

Masculinos Master Escalão E: Jean Alexandre Testagrossa (1971) Fundação Salesianos de Lisboa 100m Bruços 1:11.12 (844); Emílio Nuno Frischknecht (1971) Sport Algés e Dafundo, 100m Mariposa 1:02.55 (830).

 

Masculinos., Master Escalão F: Jorge Eduardo Faria (1964) Sport Algés e Dafundo 100m Mariposa 1:02.27 (1009); José Carlos Freitas (1963) Clube Fluvial Portuense 400m Livres 4:28.74 (974); Marcelino Jorge Iglesias 66 Club Natacion Master Mos 100m Bruços 1:14.28 (820); José Samuel Duarte 65 Sporting Clube de Portugal 100m Bruços 1:14.28 (820).

 

Masculinos Master Escalão G: Paulo Paula Carvalho (1961) Soc. Filarm. União Artística Piedense, 400m Livres 4:48.71 (1003); Jaime Carlos Bento 61 Sport Algés e Dafundo 400m Livres 5:09.23 (816).

 

Masculinos Master Escalão H: Vítor Manuel Mavioso (1956) Sport Algés e Dafundo, 400m Livres, 5:11.27 (902).

 

Multi-Medalhados (5 medalhas de ouro):

 

Master Esc J, Masc.: António Bessone Basto (ano nascimento 1945), Sport Algés e Dafundo 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc H, Masc.: Vitor Manuel Mavioso (1956) Sport Alges e Dafundo, 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc G, Masc.: Paulo Paula Carvalho (1961) Soc. Filarm. União Artistica Piedense 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc F, Masc.: Jorge Eduardo Faria (1964) Sport Algés e Dafundo 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc D, Masc: Rodolfo Pereira Nunes (1973) Clube Aquático Pacense, 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc B, Masc.: Adriano Miguel Niz (1986) Grupo Desp. Natação V. N. Famalicão, 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc K, Femin: Isabel Maria Raimundo (1940) Sport Algés e Dafundo, 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc I, Femin.: Ana Maria Ferreira (1950) Sport Algés e Dafundo, 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc G, Femin: Elena Nikolaevna Kraeva (1961) Colégio Monte Maior 5 medalhas (ouro).

 

Master Esc B, Femin.: Carolina Santos Silva (1986) Clube de Natação da Maia 5 medalhas (ouro)

ANDS/FPN

Foto: ANDS

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome