- Publicidade -

VN Barquinha defende floresta contra incêndios em parceria com Associação de Agricultores

A Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha aprovou por unanimidade uma proposta de protocolo a celebrar com a Associação de Agricultores dos concelhos de Abrantes, Constância, Sardoal e Mação no âmbito da prevenção e defesa da floresta contra incêndios no concelho barquinhense. Este protocolo, em vigor até dezembro de 2021, envolve um montante de 21 mil euros e tem como principal objeto a limpeza das faixas de gestão de combustíveis a cargo do Município.

- Publicidade -

- Publicidade -

O protocolo para a prevenção e defesa da floresta contra incêndios no concelho de Vila Nova da Barquinha com a Associação de Agricultores dos concelhos de Abrantes, Constância, Sardoal e Mação é celebrado este ano pela primeira vez. “Do antecedente, tínhamos feito algumas contratações com empresas mas entendemos que, de facto, face às características da associação, uma vez que está no território nomeadamente quando são desencadeados quer o alerta amarelo quer o alerta vermelho em situação de DCIF (…) faz todo o sentido que a gente faça um protocolo com eles para nos limparem as respetivas faixas de salvaguarda”, explanou o presidente do Município de Vila Nova da Barquinha, Fernando Freire, ao mediotejo.net

Refira-se que a Associação de Agricultores tem já uma equipa de sapadores florestais para a área do concelho de Vila Nova da Barquinha, intervindo no apoio a ações de vigilância, primeira intervenção em incêndios rurais, ações de rescaldo, entre outras. “Eles estão no nosso território, estas brigadas fazem parte também da nossa vigilância, ficam sediadas no Cafuz para efeitos de reforço de prevenção florestal”, elucida Fernando Freire, referindo que com este protocolo as faixas de contenção que são da responsabilidade do Município passam para a intervenção desta brigada de sapadores florestais.

- Publicidade -

Áudio | Presidente da Câmara Municipal de VN Barquinha, Fernando Freire, em declarações ao mediotejo.net:

No protocolo, a que o mediotejo.net teve acesso, é estabelecida a atividade da respetiva equipa, com os serviços a incidirem “nas FGC [faixas de gestão de combustíveis] e áreas para silvicultura preventiva, nomeadamente: faixa lateral de terreno confinante com a rede viária municipal com largura até 10 m; outras ações de silvicultura preventiva no âmbito da DFCI; outras ações de gestão de combustível nas faixas integradas da rede secundária DFCI”. Nestas ações inclui-se ainda, refere Fernando Freire ao nosso jornal, a “questão da preservação ou sustentabilidade do próprio Parque Empresarial” do concelho.

A Associação fica também responsável por “proceder à gestão de combustível nos terrenos integrados na rede secundária e terciária de FGC sempre que solicitado e identificado pelo Município de Vila Nova da Barquinha” e a “colaborar em outras atividades pontuais, tais como proteção e valorização ambiental, a limpeza e desobstrução de linhas de água nos aglomerados urbanos, acompanhamento dos pedidos de autorização de queimadas extensivas e avaliação de queimas de amontoados, e na vigilância e controlo da vespa velutina, a solicitar pelo Município, através do envio atempado de requisição para a Associação de Agricultores dos concelhos de Abrantes, Constância, Sardoal e Mação”.

Foto: DR

Já do lado da Câmara Municipal, esta irá comparticipar o respetivo financiamento da equipa de sapadores florestais, transferindo para a Associação um montante na ordem dos 21 mil euros, dividida em quatro prestações no decorrer de 2021. Este valor inclui, nomeadamente, “todos os custos, encargos e despesas cuja responsabilidade não esteja expressamente atribuída ao Município, incluindo as despesas de alojamento, alimentação e deslocação de meios humanos, despesas de aquisição, transporte, armazenamento e manutenção dos meios materiais”.

Um protocolo que tem em vista, termina o presidente do Município de Vila Nova da Barquinha “estarmos todos mais protegidos contra a questão do flagelo dos incêndios”, nomeadamente quando chegar o verão.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou à capital com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).