Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Setembro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

VN Barquinha | A noite em que a dança iluminou o Castelo de Almourol (c/ fotogaleria)

O Castelo de Almourol foi o primeiro local dos Caminhos do Ferro onde a Radar 360º apresentou o “Baile dos Candeeiros” no âmbito da rede de itinerância cultural que percorre o Médio Tejo desde o dia 11 de abril. Aceitámos o convite para ir ao baile na noite desta sexta-feira, dia 14, e encontrámos muito mais do que um espaço iluminado para dar um “pézinho” de dança.

- Publicidade -

O convite para o baile da Companhia Radar 360º dizia “dia 14 de abril de 2017, pelas 21h30”. Metemo-nos a caminho pelos Caminhos do Ferro e chegámos minutos antes da hora marcada ao Castelo de Almourol. Sabíamos que o evento teria candeeiros, mas fomos recebidos pela escuridão e os comentários de quem teve a mesma pontualidade fortaleciam a dúvida se teríamos trocado as datas.

Iluminado encontrámos o café onde os visitantes fazem pausa para verem as fotos tiradas na torre de menagem com vista para a aldeia de Tancos. O mesmo acontecia com a fortificação militar que celebra 106 anos de Monumento Nacional no próximo dia 16 de junho. O anfiteatro ribeirinho, local anunciado para a realização do baile, continuava mergulhado na penumbra.

- Publicidade -

Foto: mediotejo.net

É impossível ficar indiferente ao cenário associado à bravura da Reconquista Cristã e ao misticismo dos Templários e ainda olhámos para as muralhas na esperança de vislumbrar D. Ramiro a pedir clemência à filha e ao genro pelas crueldades cometidas. Não encontrámos as personagens da lenda na ilhota do rio Tejo e pouco depois de nos sentarmos foram as memórias inspiradas no Baile dos Cinco Candeeiros que começaram a iluminar-se.

O motivo dos encontros realizados na década de 60 na foz do rio Douro, Porto, não era a dança e os candeeiros de então faziam sombra aos olhos do Estado Novo, dissimulando a tristeza das despedidas de quem partia para a guerra. Os cinco candeeiros que surgem da escuridão em espaços inusitados desde a estreia no Festival “Se esta rua fosse minha” (Porto, 2008) são diferentes.

As luzes que se acendem e apagam por aqui e por ali são alimentadas pela energia de Filipe Caco, Julieta Rodrigues, Filipe Moreira, Mariana Amorim e António Oliveira. O último é, igualmente, responsável pela direção artística do espetáculo que conjuga dança transdisciplinar, teatro físico, performance e instalação que, neste caso, tanto tem de plástica como de elétrica.

Foto: mediotejo.net

A cadência do clique dos interruptores controlados pelos elementos da associação cultural fundada em 2005 ajusta-se a cada local e a cada música. Em Vila Nova da Barquinha, os movimentos multiplicaram-se ao longo de 45 minutos para contar histórias que somam décadas num cenário que soma séculos. Tempos que não chocam com o dos figurinos e adereços vintage, dos quais sobressaem os abajures coloridos que resguardam a luz branca junto dos rostos de quem dança.

A mesma luz foi revelando as expressões de surpresa do público sempre que era convidado para participar por um dos cinco candeeiros com personalidades diferentes. Ali, não se sentiu o peso das despedidas dos anos 60 e, para muitos dos presentes, o “adeus” representou um “amanhã à mesma hora” pois o “Baile dos Candeeiros” ilumina a Praça Salgueiro Maia, no Entroncamento.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome