Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Vila de Rei | Reforma da floresta é “oportunidade de desenvolvimento” e uma das grandes prioridades nacionais – Costa – (C/ÁUDIO)

O secretário-geral do PS afirmou hoje em Vila de Rei que a reforma da floresta “vai continuar a ser uma grande prioridade da próxima legislatura”, realçando a “enorme oportunidade de desenvolvimento do interior” do país.

- Publicidade -

António Costa falava no ponto mais central de Portugal, numa ação que constituiu mais um “ponto de paragem” do seu roteiro pela Estrada Nacional (EN) 2, maior estrada nacional, que liga Faro a Chaves numa distância de 738 km, e depois de ter passado por Ponte de Sor e também por Abrantes e Sardoal, onde recolheu o carimbo que atestou a sua passagem pela EN2.

Acompanhado neste périplo pela EN2, que começou na ultima semana, pela sua esposa e por uma comitiva de apoiantes, o secretário-geral do PS, António Costa, tem destacado a “imensa riqueza local” existente no país ao longo da Estrada Nacional (EN) 2 e que deve ser valorizada e transformada “em riqueza nacional”.

- Publicidade -

A “mensagem fundamental que eu quero transmitir neste meu percurso pela Nacional 2 é que, quando falamos muito de interior, temos que olhar para este interior e ver o que é que temos aqui (…) e o que podemos fazer (…) para acrescentar valor ao todo nacional” e “a cada um dos territórios e às gentes que ocupam estes territórios”, afirmou Costa.

O Secretário Geral do Partido Socialista, António Costa, esteve hoje no Posto de Turismo de Sardoal a carimbar o seu passaporte da Rota da Estrada Nacional 2. Foto: CMS

“Estamos perto das portas do Pinhal Interior, uma das zonas do país onde a floresta é simultaneamente uma riqueza e tem sido também uma ameaça”, disse António Costa esta tarde no Centro Geodésico de Portugal, em Vila de Rei, onde visitou o Museu da Geodesia, e apreciou as paisagens pintadas ora a verde ora a cinza, a partir do picoto da serra da Melriça, instalado a 592 metros de altura.

Para o secretário-geral do PS, o país “tem uma enorme oportunidade para o seu desenvolvimento”, se se “olhar devidamente para a riqueza que tem sido desaproveitada em todas estas áreas designadas de interior”.

O Distrito de Santarém recebeu hoje o Secretário Geral do PS, António Costa, no âmbito do roteiro pela EN2, tendo almoçado em Abrantes com as e os candidatos às legislativas pelo Círculo Eleitoral de Santarém e com os presidentes de Câmara socialistas da região. Em São Lourenço “carimbou” a passagem pelo concelho de Abrantes. Foto: DR

O líder socialista deu como exemplo de “áreas de oportunidade”, além do “desenvolvimento do turismo”, a “valorização de todos os recursos naturais, sejam as águas termais, os recursos minerais, como a sua beleza paisagística”, a par da atração nestes territórios de investimentos “altamente qualificados e criadores de emprego bem remunerados”, tendo exemplificado com o “’cluster’ aeronáutico” em Ponte de Sor, onde esteve esta manhã, ou ainda os exemplos no Fundão e Proença-a-Nova.

“Temos de prosseguir a reforma da floresta iniciada em 2016 e que agora, com o regime de cadastro simplificado alargado a todo o país, vai-nos permitir nos próximos quatro anos dar um avanço muito significativo, a exemplo do que já fizemos nos 11 concelhos atingidos pelos fatídicos incêndios de 17 de junho de 2017”, afirmou, tendo feito notar que este “é um dos grandes desafios estratégicos” do país.

“A reforma da floresta tem de continuar a ser uma grande prioridade da próxima legislatura e do futuro do nosso país”, insistiu.

O secretário-geral do PS afirmou hoje em Vila de Rei que a reforma da floresta “vai continuar a ser uma grande prioridade da próxima legislatura”, realçando a “enorme oportunidade de desenvolvimento do interior” do país. Foto: mediotejo.net

O secretário-geral do PS lembrou ainda que se vai “entrar numa nova etapa, numa nova caminhada a partir de outubro”, tendo dado conta que decidiu fazer esta volta pela EN2 porque “não há nada como ir ao quilómetro 0”, numa alusão ao início deste périplo pela maior estrada nacional, que liga Faro a Chaves, “para pensar tudo outra vez, olhar para o futuro e pensar o que vamos fazer mais e o que vamos fazer melhor”, dando conta das “ambições e desafios” do PS.

António Costa apontou que os “desafios demográficos”, “alterações climáticas”, e “transição para a sociedade digital”, bem como a “erradicação da pobreza” e o combate às desigualdades são alguns dos “grandes desafios estratégicos” que o país tem pela frente.

De manhã já o líder do PS havia visitado o aeródromo municipal de Ponte de Sor, onde afirmou não haver “nenhuma fatalidade relativamente àquilo a que nos habituámos erradamente a chamar interior. Aquilo que é necessário é ter por um lado uma grande vontade política, uma grande convicção de que, a partir destes territórios, é possível fazer mais, é possível fazer melhor, é possível fazer diferente”, disse.

António Costa, que falava no decorrer de uma visita ao Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, ação inserida em mais um “ponto de paragem” do seu roteiro pela Estrada Nacional (EN) 2, deu como exemplo para combater as questões relacionadas com a interioridade o projeto que está a ser desenvolvido naquele aeródromo.

“Foi isso que o senhor presidente da câmara (Ponte de Sor) aqui há quase dez anos imaginou que poderia ser, creio que na altura não deviam trabalhar aqui (aeródromo) mais de 20 pessoas, hoje trabalham 300 pessoas diretamente aqui no aeródromo. A partir deste projeto do aeródromo atraíram-se várias empresas”, sublinhou.

O secretário-geral do PS afirmou ainda na sua intervenção que a região do Alentejo está nesta altura no “centro do cluster” aeronáutico em Portugal.

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome