Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Agosto 4, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Vila de Rei abre hoje Feira de Enchidos, Queijo e Mel

A XXVII Feira de Enchidos, Queijo e Mel começa este sábado e termina num domingo, mas não falamos de um fim-de-semana. São nove dias com 25 artistas e bandas a animar os milhares de visitantes esperados e os 115 expositores confirmados. Mia Rose, Orquestra Ligeira do Exército, Leo & Leandro, ÁTOA, Tiago Bettencourt e Mikkel Solnado são os cabeças de cartaz e aos ritmos que caraterizam cada um aliam-se a música popular, de baile e eletrónica. As propostas culturais não se ficam pela música e as artes plásticas e a literatura também estão presentes entre 30 de julho e 7 de agosto.

- Publicidade -

A feira é dedicada aos sabores da terra e destaca os enchidos, o queijo e o mel em mais de uma centena de stands durante nove dias. O petisco está assegurado. No entanto, a organização do certame decidiu colocar a cereja em cima do “bolo” com 25 momentos musicais em três palcos, uma Feira do Livro, duas exposições e uma hora dedicada à poesia.

Começando pela música, é o palco 1 que recebe os cabeças de cartaz desta edição. No primeiro fim-de-semana atuam Mia Rose (hoje, dia 30) e a Orquestra Ligeira do Exército (dia 31). Os concertos regressam na quinta-feira seguinte com Leo & Leandro (dia 4), ÁTOA (dia 5), Tiago Bettencourt (dia 6) e o neto de um vilarregense, Mikkel Solnado (dia 7). A maioria dos artistas sobe ao palco a partir das 22h00, com exceção de Mia Rose e Tiago Bettencourt que têm encontro marcado com o público às 23h00.

- Publicidade -

A festa privilegia a diversidade musical e se no palco 1 passam artistas ligados às sonoridades pop, rock, filarmónica e sertaneja, no palco 2 o ritmo muda para os temas de baile e a música popular com raízes dentro e fora do concelho. O “pé de dança” pode ser dado em seis ocasiões diferentes ao som de Novo Ritmo (dia 30), Sem Filtro (dia 1), Rui Miguel (dia 2), Graciano Ricardo (dia 3), Inovação (dia 5) e Nélson António (dia 6).

A música popular tem destaque aos sábados e aos domingos e o programa começa com o Grupo As Margaridas de Perouguarda e o Grupo de Canto e Dança do Centro de Cultura e Desporto do município de Oeiras no primeiro dia. No segundo chegam o Grupo de Concertinas da Casa do Benfica de Vila de Rei e o Grupo Instrumental do Centro de Cultura e Desporto do município da Sertã.

No fim-de-semana seguinte o palco 2 pertence ao Grupo São Bernardo a Cantar e à Vila d’El Rei Tuna no dia 6, que cedem o protagonismo ao Grupo Folclórico e Cultural da Boa Vista (Portalegre) e ao Grupo de Cantares a Bela Serrana no dia 7. Neste palco atua também a Orquestra Clássica e Tradicional da Escola de Música de Vila de Rei no dia da abertura da feira.

O terceiro palco privilegia os sons eletrónicos, sempre a partir das 24h00, e este ano tem nova localização, junto do campo de mini-golfe. As atuações dos DJs são diárias e o ritmo é assegurado ao longo de toda a festa por Hugo Rafael, Salito, Paul S, Timewall, Seadas e MC Pinkie, Dany, RS, Salavisa e JDK.

A vertente cultural do programa da XXVII Feira de Enchidos, Queijo e Mel engloba mais quatro iniciativas. Durante o evento, os amantes de literatura têm à disposição diversas obras na Feira do Livro que decorre no antigo edifício do Espaço Internet de Vila de Rei e na qual se realiza uma hora de poesia, às 18h30 do dia 2, pelo Clube de Leitores da Biblioteca Municipal José Cardoso Pires “Letras Soltas no Pinhal”.

Na biblioteca, os livros juntam-se aos trabalhos dos utentes da Fundação João e Fernanda Garcia na mostra “DeCoração”, inaugurada no passado dia 22. A quarta proposta ligada às artes criativas é a exposição “Deep Waters” do artista plástico Luís Gonçalves, que começa este sábado, primeiro dia da Feira, no Museu Municipal de Vila de Rei, e pode ser visitada até 16 de setembro.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome