Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Vila de Rei | Município investe em passadiços para o Penedo Furado

O município de Vila de Rei acaba de lançar um concurso público para a construção de passadiços na zona fluvial e de lazer do Penedo Furado, um investimento que rondará os 100 mil euros.

- Publicidade -

O procedimento concursal, publicado em Diário da República, a 7 de agosto de 2018 (n.º 151 com anúncio de procedimento 6478/2018), para a “Construção de Passadiços no Penedo Furado”, tem um prazo de execução de quatro meses, e prevê a criação de passadiços em madeira desde a Praia Fluvial do Penedo Furado até à zona das quedas de água, numa distância de 532 metros lineares, uma ponte na parte final do percurso, e plataformas para zonas de descanso, com bancos e miradouros.

A zona das “Piscinas” é um local de uma beleza deslumbrantes (Foto: mediotejo.net)

- Publicidade -

A empreitada apresenta um preço base de 100.000,00€, com um prazo de execução de quatro meses. Os interessados devem submeter a sua proposta para o concurso através da plataforma disponível em www.acingov.pt, num prazo de 20 dias a contar do lançamento do Concurso.

Citado em nota de imprensa, o presidente da autarquia, Ricardo Aires, refere que, “com a criação destes passadiços, vamos criar condições favoráveis para que este percurso possa ser feito de forma mais rápida, fácil, segura e acessível”, tendo feito notar que “a Praia Fluvial do Penedo Furado e as suas famosas quedas de água são dos locais mais visitados do concelho” de Vila de Rei.

Praia fluvial do Penedo Furado. Foto: mediotejo.net

“Estamos em crer que o Turismo é uma das áreas que mais pode dinamizar e auxiliar a economia local e, desta forma, a criação dos Passadiços do Penedo Furado será um importante passo nesse sentido”, destacou Ricardo Aires.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome