Vila de Rei | Município apresenta-se de “boa saúde financeira” com balanço positivo nas contas de 2019

A Assembleia Municipal de Vila de Rei aprovou por maioria, com 4 abstenções da bancada do PS, os documentos de Prestação de Contas relativas ao ano de 2019. De destacar a redução da dívida a médio e longo prazo em 535.100,00€ e um prazo médio de pagamento a fornecedores de 20 dias. O Município de Vila de Rei, presidido por Ricardo Aires (PSD) conseguiu alcançar uma margem de endividamento na ordem dos 73,51%, terminando o ano de 2019 sem pagamentos em atraso e com fundos disponíveis que permitem a assunção de novos compromissos. Os mapas de controlo orçamental da receita e da despesa mostram que a execução orçamental foi de 85,34% e 84,48% respetivamente.

A autarquia destaca nos documentos a despesa de empreitadas, que representava 85,82% do total da despesa efetuada ao longo de todo ano do Plano Plurianual de Investimentos, com especial destaque para as infraestruturas urbanísticas da Zona Industrial do Souto (2ª e 3ª fase, incluindo a ampliação da ETAR e expansão da Infraestrutura de Localização Empresarial), obras na rede de abastecimento de água, saneamento e ETARs de Fundada e S. João do Peso, Construção do Parque Urbano da Ribeira da Vila, requalificação urbana e ETAR em Milreu, entre outros.

O Município apresenta uma margem de endividamento “muitíssimo favorável” de 73,51% (correspondente a 5.523.301,26€), sendo que a CM Vila de Rei terminou novamente o ano de 2019 “sem pagamentos em atraso e com fundos disponíveis que permitem a assunção de novos compromissos”.

PUB

O Município destaca ainda o aumento considerável de investimento, uma vez que com um orçamento inicial de 8.280.000,00€, graças à sua capacidade de aceder a fundos comunitários, acabou por poder executar um total de 9.026.000,00€.

Por outro lado, a autarquia conseguiu reduzir a dívida a médio e longo prazo em 535.100,00€, ao mesmo tempo que reforçava o investimento. O prazo médio de pagamento a fornecedores foi, no ano de 2019, de 20 dias.

Um bom indicador para o presidente da Câmara Municipal, Ricardo Aires, que crê que “a situação económica e financeira do Município apresenta indicadores que evidenciam uma boa saúde financeira, sendo de destacar a boa capacidade de endividamento e o financiamento garantido por fundos comunitários para a realização de diversas empreitadas pelo concelho. Estes dados espelham o esforço do Município no equilíbrio das contas e a gestão rigorosa que permitiu reduzir a despesa corrente e aumentar significativamente o investimento”.

No documento a que o mediotejo.net teve acesso, consta que, “em 2019, as receitas e as despesas apresentaram um acréscimo relevante de 13,44% e 17,05%, respetivamente”.

No que toca à execução, são as funções sociais (59,27%) a prioridade da autarquia, nomeadamente com a atribuição de apoios à fixação da população, apoios à educação e ao nascimento/casamento, entre outros. Foto: mediotejo.net

Já as receitas correntes e as outras receitas “apresentaram um decréscimo de 4,82% e 10,69%, respetivamente, enquanto que as receitas de capital apresentaram um acréscimo muito importante de 131,94% devido ao recebimento dos fundos comunitários”.

As despesas correntes e de capital “apresentaram um decréscimo de 0,33% devido à contenção nos custos correntes e um acréscimo de 72,93% nas despesas de capital devido à execução e pagamento de mais empreitadas, nomeadamente aquelas que são financiadas pelos fundos comunitários”.

Quanto à margem de endividamento é considerada “muitíssimo favorável” situando-se nos € 5.523.301,26, o que corresponde a 73,51%.

O Município de Vila de Rei terminou o ano de 2019 “sem pagamentos em atraso e com fundos disponíveis positivos que permitem a assunção de novos compromissos”.

No que toca à execução do Plano Plurianual de Investimentos, mediante os objetivos e prioridades de gestão da CM Vila de Rei para o concelho no ano de 2019, enumeram-se as funções sociais [Educação, Saúde, etc] (59,27%), funções económicas (33,51%), funções gerais (3,84%) e outras funções (3,38%).

Nas funções sociais incluem-se os apoios ao casamento, nascimento, fixação da residência, fertilização in-vitro e para a aquisição de produtos de puericultura, sendo que em 2019 o montante de subsídios pagos situaram-se no valor total de 55.787,33 euros. Também as bolsas de estudo, de mérito, do percurso escolar e permanência Vila de Rei + totalizaram o valor de 19.900,00 euros.

Os documentos haviam sido aprovados por maioria PSD, com abstenção do vereador do PS, Luís Santos, na reunião de Câmara do dia 19 de junho.

PUB
Joana Rita Santos
Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).