Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Julho 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Vila de Rei | Lagar encerra campanha de 2016 “a obra certa no momento certo”

A campanha de 2016 do Lagar de Vila de Rei foi dada ontem, 20 de dezembro, como terminada, registando “um novo sucesso” naquele que foi o seu segundo ano aberto ao público, segundo a Câmara Municipal. Ricardo Aires, presidente da autarquia, diz memso que o Lagar de Vila de Rei “foi a obra certa no momento certo”.

- Publicidade -

Ao longo da campanha do corrente ano, o Lagar de Vila de Rei recebeu e transformou 541 toneladas de azeitona, registando um aumento de 500 clientes em relação ao seu primeiro ano de laboração, provenientes de Vila de Rei e dos concelhos limítrofes.

Localizado na Zona Industrial do Souto, este equipamento apresenta capacidade para laborar 2.000 kg de azeitona por hora, efetuando os serviços de extração de azeite e respetivo embalamento.

- Publicidade -

Em nota de imprensa, o presidente da autarquia vilarregense, Ricardo Aires, refere que “o Lagar de Vila de Rei foi a obra certa no momento certo, sendo já um marco no processo de dinamização da agricultura no nosso concelho. Temos atraído um grande número de produtores Vilarregenses e dos concelhos limítrofes – com um aumento muito substancial no número de utilizadores neste ano – o que muito se deve aos equipamentos modernos e ecológicos existentes, que permitem a criação de um azeite de elevada qualidade. Esperamos que o sucesso do Lagar de Vila de Rei possa servir igualmente para incentivar os produtores Vilarregenses a tirarem o máximo proveito dos seus terrenos agrícolas, que, no nosso Concelho, apresentam fantásticas condições para a produção da oliveira ou do medronheiro”, concluiu.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome