Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Setembro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Vila de Rei | Biblioteca acolhe mostra de pintura “Telhas de Canudo Antigas”

A Biblioteca Municipal José Cardoso Pires, em Vila de Rei, recebe até dia 31 de outubro a exposição individual de pintura em telhas antigas de Idalina Figueiredo. A autora sertaginense recriou em telhas antigas, numa aventura que iniciou há cerca de três anos, diversas paisagens do seu concelho, da região e até do seu imaginário, bem como retratos. Esta será a sua quarta exposição individual, tendo também participado em diversas exposições coletivas na Sertã, Mação e Marinha Grande.

- Publicidade -

Depois de encontrar telhas no estaleiro do seu marido, Idalina não se fez rogada e pôs mãos à obra. Três a sete dias são suficientes para concluir uma telha pintando com tinta acrílica. O repertório artístico já vai longo, contando cerca de cinquenta telas e vinte telhas da sua autoria.

A artista tem especial preferência pelo pastel seco e óleo e gosta de pintar na sua marquise sobretudo ao final do dia, dado que os dias de sol são os mais inspiradores e estimulantes para criar paisagens, natureza morta e pinturas abstratas.

- Publicidade -

Natural da freguesia de Várzea dos Cavaleiros, Idalina Figueiredo de Andrade começou desde cedo a mostrar talento e uma apetência especial pelas artes manuais, mas foi em 2005 que começou a desenvolver os seus dotes, aprogundando e aperfeiçoando a técnica na Escola Il Pittore Italiano, na antiga Casa do Artesão junto à Ribeira da Sertã. Acompanhou a mudança da escola para a Rua do Vale, e continua a frequentá-la, sendo que hoje é denominada por Ateliê Daniela Pinto.

As “Telhas de Canudo Antigas” de Idalina Figueiredo de Andrade poderão ser apreciadas até dia 31 de outubro na Biblioteca Municipal José Cardoso Pires, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 18h30, e aos sábados, das 15h00 às 18h00.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome