Vila de Rei: Alunos de cursos profissionais têm tudo pago (até a casa)

A autarquia de Vila de Rei apoia os alunos que frequentam os cursos profissionais no seu concelho com transportes, manuais escolares e até habitação, nos casos de alunos que sejam de outras zonas do país. Disponibiliza ainda explicações para os que têm notas abaixo dos 12 valores.

PUB

Num concelho que tem um mini-cluster na área do social, com diversas instituições de apoio a idosos e deficientes, empregando mais de 400 pessoas do concelho e na região envolvente, a Escola Secundária de Vila de Rei vai ter este ano, pela primeira vez, o curso profissional de Técnico de Apoio Familiar e à Comunidade, que se junta ao curso de Técnico de Turismo Ambiental e Rural, que abre pela terceira vez neste estabelecimento de ensino.

Segundo explica Margarida Guimarães, diretora do Agrupamento de Escolas de Vila de Rei, ao mediotejo.net, a aposta é sobretudo na assistência domiciliária “onde há grandes falhas, porque Vila de Rei tem muitos lares”. Contudo, explica, “chega a um ponto em que não dá para ter mais lares” e, portanto, a opção será o apoio no domicílio. “Aí vai ter de ser a pessoa a criar a sua empresa e fazer o trabalho. Se vamos conseguir não sei, mas tentamos e lançamos as ideias.”

Segundo um estudo elaborado pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT), este curso profissional de Técnico de Apoio Familiar e à Comunidade era aquele que mais se adaptava à realidade social de Vila de Rei. “Não queríamos estar a formar alunos para depois ficarem desempregados, estaríamos a gorar expectativas e para nós também não seria compensador”, salienta Margarida Guimarães.

Mesmo que, após terminarem o curso, os alunos não consigam emprego em Vila de Rei, uma coisa é certa: “A população portuguesa está a envelhecer e alguém vai ter de tratar de nós”, sublinha a diretora, que salienta ainda que este curso profissional pretende criar técnicos polivalentes, que possam trabalhar em várias áreas do social.

Até ao momento, diz, tem existido uma grande procura para este curso, porque dentro das suas áreas técnicas há a prestação de cuidados básicos de saúde, o que implica que, depois, ao nível do ensino superior, alguns alunos queiram estudar a parte das terapias ”.

Para Margarida Guimarães, os cursos técnico-profissionais “têm sido uma mais-valia para os alunos que não querem estudar no regular”. Como ficam como uma dupla certificação, “aqueles que querem entram logo no mundo do trabalho após os três anos”. Por outro lado, para os alunos que frequentam os cursos profissionais, há ainda a possibilidade de poderem ingressar no ensino superior. A diretora do Agrupamento de Escolas de Vila de Rei recorda que “no último curso profissional, mais de 50% dos alunos entraram no ensino superior, para continuarem os estudos”.

Concelho de Vila de Rei tem um mini-cluster social, com diversas instituições de solidariedade social que empregam mais de 400 pessoas do concelho e região Foto: mediotejo.net
Concelho de Vila de Rei tem um mini-cluster social, com diversas instituições de solidariedade social que empregam mais de 400 pessoas. Foto: mediotejo.net

Com este curso, tenta-se que “alguns alunos consigam emprego na área, outros que criem o seu próprio emprego”, diz. “Temos participado em várias atividades com o Instituto Politécnico de Tomar, através do empreendedorismo e do lançamento de ideias, para que os alunos criem o seu próprio emprego, até porque alguns deles têm pais com terrenos, que fazem pão, que fazem queijo, que têm abelhas, e se eles conseguissem juntar ao turismo rural a oferta de produtos endógenos era excelente”, salienta Margarida Guimarães que, neste curso, já teve alunos de Ourém, Fátima e Sardoal.

A componente de formação técnica destes dois cursos profissionais vai ser assegurada por um total de quatro professores/técnicos ligados à área da saúde, da animação sociocultural, do ambiente e do turismo, que serão contratados externamente.

“No caso do Turismo, temos tido professores espetaculares que levam os alunos a conhecer meio mundo, com várias perspectivas de empresas e de atividades nesta área. E dentro da área da saúde, deverão ser enfermeiros e na área do sociocultural, deverão ser animadores sócio-culturais que lhes irão mostrar novas realidades”, refere a diretora do Agrupamento de Escolas.

Para Margarida Guimarães, uma das principais mais-valias dos cursos profissionais é o facto de serem um complemento ao ensino regular e “cria, na perspetiva dos alunos e dos pais, quando eles não querem estudar, que o emprego está já ali, ao fim de três anos. Não implica que sejam alunos maus, penso que os profissionais, mesmo para os bons alunos, é uma mais-valia, até porque há muitos pais que não tem capacidades financeiras para os colocar no superior”.

Novo curso garantirá emprego “a 100%” dos alunos

A autarquia de Vila de Rei apoia os alunos que frequentam os cursos profissionais: os que residem em Vila de Rei têm transportes e manuais escolares gratuitos; aos alunos residentes noutros concelhos, a Câmara garante habitação, livros escolares gratuitos e também o transporte à sexta-feira e à segunda-feira, de a para os seus concelhos de origem.

“Penso que são vantagens boas e temos sempre uma equipa técnica na residência de estudantes que dá grande apoio aos estudantes. E posso também dizer que aos alunos que tenham menos de 12 valores nós damos explicações ao longo do ano”, sublinha Ricardo Aires, presidente da Câmara Municipal de Vila de Rei.

No que diz respeito à empregabilidade, aos alunos do recém-criado curso de Técnico de Apoio Familiar e Apoio à Comunidade poderá dizer-se que terão uma taxa de emprego de 100%. “O concelho de Vila de Rei tem um mini cluster da área social e os lares têm sempre grandes dificuldades em arranjar pessoas para trabalhar porque exige um trabalho de 24h, por turnos. Por isso julgo que todos, ou quase todos os alunos, terão emprego quando terminarem o seu curso profissional”, refere Ricardo Aires.

Além das estruturas já existentes neste concelho, “neste momento, há um projeto prestes a concretizar-se, numa parceria entre a autarquia, a Santa Casa de Misericórdia de Vila de Rei e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, e haverá procura de emprego nesta vertente”, sublinha Ricardo Aires, que refere ainda que “no futuro, poderá haver outros equipamentos sociais a nascer”. O autarca que revela ter “uma carta de conforto do antigo Governo para a criação de uma Unidade de Cuidados Continuados de Saúde Mental em Vila de Rei”, estando agora ” a negociar com o atual Governo para que este projeto não caia”.

Para os alunos interessados nestes cursos profissionais, estão abertas as pré-inscrições para o 10º ano. Para mais informações, poderão contactar a escola através do número de telefone 274 890 050 ou do email ebi.cp@mail.telepac.pt .

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here