Utentes do Médio Tejo pedem proximidade e qualidade nos cuidados de saúde primários

Utentes da Saúde do Médio Tejo promovem na terça-feira uma conferência de imprensa junto ao Hospital de Abrantes. Foto: mediotejo.net

Os utentes da saúde vão continuar a promover e apoiar todas as iniciativas populares que visem melhorar a intervenção aos utentes nos cuidados primários, nomeadamente nos centros de saúde do Médio Tejo, foi hoje anunciado.

PUB

Em comunicado, o Grupo de Trabalho (GT) das estruturas dos utentes (CUSMT) para o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo, que agrega 230 mil habitantes de 11 municípios do distrito de Santarém, reclama por “serviços a funcionar com proximidade e qualidade nos centros de saúde”, tendo relatado ter “constatado que os cuidados de saúde de proximidade estão em causa com o contínuo encerramento de Extensões de Saúde”.

Nesse sentido, o GT da CUSMT deliberou na segunda-feira, após reunião que ocorreu na Junta de Freguesia de Rossio Sul Tejo, em Abrantes, “continuar a promover e apoiar todas as iniciativas populares que tenham como objetivo a defesa de cuidados de saúde de proximidade e qualidade”, tendo aquela estrutura de utentes elencado os problemas identificados no setor.

PUB

“A concentração de serviços em algumas unidades, para além do aumento de encargos para os utentes, leva ao ressurgimento de filas de espera, à procura de alternativas no setor privado e social, e ao recurso das sobrecarregadas urgências hospitalares”, relatam no documento, tendo apontado ainda para “insuficiências nos sistemas informáticos, falta de consumíveis (clínicos e outros), deterioração de algumas instalações e meios de transporte, e número insuficiente de profissionais para as necessidades das populações”.

A Comissão de Utentes refere ainda ter “informações a pedir e propostas a apresentar” em reunião que “vai solicitar” com a Diretora Executiva do ACES Médio Tejo.

PUB

Entre as propostas a apresentar, a CUSMT avança com a “necessidade de mais profissionais apelando à discriminação positiva para os que aceitem trabalhar na região, não esquecendo os que já aqui desenvolvem a sua atividade, alargamento e novos horários nas unidades de saúde, e cuidados de saúde de proximidade, quer pelo funcionamento das Extensões de Saúde rurais, quer pela aquisição de Unidades Móveis de Saúde”.

A estrutura de utentes defende ainda a “intensificação das ações de saúde pública e articulação com os outros níveis de prestação de cuidados”, e “realçar a necessidade de uma plataforma informática única para todo o SNS e a resolução urgente dos problemas existentes nos equipamentos e programas informáticos utilizados nos Centros e Extensões de Saúde”.

Por fim, o GT da CUSMT considera que “o funcionamento dos órgãos consultivos são da maior importância para o envolvimento das diversas entidades na correção eficaz, e em tempo, dos problemas existentes nas unidades de saúde”, tendo acrescentado ir “indicar os seus novos representantes no Conselho de Comunidade” do ACES Médio Tejo (um efetivo e dois suplentes) e “apelar ao Presidente do Conselho Comunidade para que o órgão consultivo do ACES reúna tão breve quanto possível”.

O ACES do Médio Tejo é composto pelos municípios de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha, e abrange cerca de 228 mil utentes.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here