PUB

Utentes do Médio Tejo pedem abolição das portagens da A23 e A13

O Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) de Santarém defendeu hoje a abolição das portagens na A23 e no troço da A13 entre a Atalaia, em Barquinha, e Ferreira do Zêzere, “a bem da coesão territorial”.

PUB

PUB

As propostas que o MUSP hoje aprovou, em reunião que decorreu no Entroncamento, passam pelo apelo e sensibilização aos partidos políticos, empresários e autarcas para a “importância social, empresarial e de coesão territorial” da abolição das portagens, uma medida que aquela comissão de utentes classificou como “um retrocesso de décadas” para a região do Médio Tejo.

“O que pedimos é que os compromissos assumidos em campanha eleitoral, por antigos e atuais governantes, sejam cumpridos, tendo alguns partidos defendido, e por diversas ocasiões, ou a abolição ou a redução do valor cobrado nas portagens”, disse à agência Lusa o porta-voz da CUSMT.

PUB

Manuel Soares disse que, “ao contrário do prometido, os pórticos aumentaram este ano os seus preçários para as classes 2, 3 e 4”, uma medida que considerou um “retrocesso de décadas pela falta de alternativas nas acessibilidades no Médio Tejo, mas também para todos os distritos de Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Guarda”.

O representante dos utentes disse que, “tendo em conta que na Assembleia da República estão duas propostas de resolução para abolição das portagens na A23, uma do PCP outra do BE, o que se pede é que os partidos incluam a proposta de abolição de portagens também na A13, pelo menos até Ferreira do Zêzere, pelos evidentes ganhos económicos, sociais e de circulação de doentes e familiares entre as três unidades hospitalares do Médio Tejo”.

Soares disse ainda que os utentes decidiram, “em nome da coesão territorial e competitividade das empresas destes distritos, pedir a reavaliação das obrigações do Estado com as concessionárias, ao abrigo das Parcerias Público Privadas” (PPP), tendo defendido a “criação de uma pequena taxa nos combustíveis para pagamento das obrigações” assumidas.

“Os preços dos combustíveis têm margem suficiente para a reparação e manutenção das vias e equipamentos e, com a introdução de uma pequena taxa, permitiria ainda o pagamento das PPP”, defendeu.

A CUSMT decidiu ainda na reunião de hoje propor à Comissão de Utentes da Beira Interior da A23, A24 e A25 “uma reunião conjunta para estudar a possibilidade da realização de ações comuns” na área territorial dos distritos envolvidos.

 

PUB
PUB
Agência Lusa
Agência de Notícias de Portugal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).