Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Utentes do Médio Tejo pedem abolição das portagens da A23 e A13

O Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) de Santarém defendeu hoje a abolição das portagens na A23 e no troço da A13 entre a Atalaia, em Barquinha, e Ferreira do Zêzere, “a bem da coesão territorial”.

- Publicidade -

- Publicidade -

As propostas que o MUSP hoje aprovou, em reunião que decorreu no Entroncamento, passam pelo apelo e sensibilização aos partidos políticos, empresários e autarcas para a “importância social, empresarial e de coesão territorial” da abolição das portagens, uma medida que aquela comissão de utentes classificou como “um retrocesso de décadas” para a região do Médio Tejo.

“O que pedimos é que os compromissos assumidos em campanha eleitoral, por antigos e atuais governantes, sejam cumpridos, tendo alguns partidos defendido, e por diversas ocasiões, ou a abolição ou a redução do valor cobrado nas portagens”, disse à agência Lusa o porta-voz da CUSMT.

- Publicidade -

Manuel Soares disse que, “ao contrário do prometido, os pórticos aumentaram este ano os seus preçários para as classes 2, 3 e 4”, uma medida que considerou um “retrocesso de décadas pela falta de alternativas nas acessibilidades no Médio Tejo, mas também para todos os distritos de Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Guarda”.

O representante dos utentes disse que, “tendo em conta que na Assembleia da República estão duas propostas de resolução para abolição das portagens na A23, uma do PCP outra do BE, o que se pede é que os partidos incluam a proposta de abolição de portagens também na A13, pelo menos até Ferreira do Zêzere, pelos evidentes ganhos económicos, sociais e de circulação de doentes e familiares entre as três unidades hospitalares do Médio Tejo”.

Soares disse ainda que os utentes decidiram, “em nome da coesão territorial e competitividade das empresas destes distritos, pedir a reavaliação das obrigações do Estado com as concessionárias, ao abrigo das Parcerias Público Privadas” (PPP), tendo defendido a “criação de uma pequena taxa nos combustíveis para pagamento das obrigações” assumidas.

“Os preços dos combustíveis têm margem suficiente para a reparação e manutenção das vias e equipamentos e, com a introdução de uma pequena taxa, permitiria ainda o pagamento das PPP”, defendeu.

A CUSMT decidiu ainda na reunião de hoje propor à Comissão de Utentes da Beira Interior da A23, A24 e A25 “uma reunião conjunta para estudar a possibilidade da realização de ações comuns” na área territorial dos distritos envolvidos.

 

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome