- Publicidade -

“Unidos por um rio”, por Hugo Costa

O Rio Nabão em Tomar voltou, uma vez mais, a ser notícia pelas descargas poluentes que acontecem sempre que se registam chuvadas. É uma questão ambiental recorrente, sendo que têm sido tomadas diligências no sentido de se encontrarem soluções.

- Publicidade -

Na segunda-feira, 22 de fevereiro, o Grupo Parlamentar do PS, deu entrada um requerimento, onde fui primeiro signatário como coordenador regional do distrito de Santarém e também assinado  pelo coordenador do PS na Comissão de Ambiente, no sentido de que a  APA – Agência Portuguesa do Ambiente venha a ser ouvida na Assembleia da República, com o intuito de se virem a obter os devidos esclarecimentos sobre as situações reportadas de poluição do rio.

O requerimento foi enviado ao Presidente da Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território (CAEOT) e sublinha que nos últimos anos têm sido frequentes as manifestações de preocupação da população dos distritos de Leiria e Santarém relativamente a descargas poluentes no rio Nabão. Esta é uma situação que já justificou, inclusive, a apresentação de várias queixas-crime pela Câmara Municipal de Tomar.

- Publicidade -

Uma preocupação partilhada pelos autarcas e deputados eleitos, que corrobora a urgência de se encontrar uma solução que resolva definitivamente o problema, evitando o agravamento das consequências de cariz ambiental e para a saúde pública que dele resultam. Neste ponto não há divisões. Estamos todos unidos por um rio.

Todos ambicionamos um distrito mais atrativo e competitivo e, nessa senda, a Distrital de Santarém do Partido Socialista organizou no sábado, 20 de fevereiro, um webinar dedicado ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), onde a autarquia de Tomar – e bem – quer incluir os 22 milhões de euros necessários para as intervenções que possibilitem a despoluição do Rio Nabão, apresentando uma proposta que pode ser secundada por todos os cidadãos que se indignam com este atentado, no site https://www.consultalex.gov.pt/, onde decorre a discussão pública.

Nesta sessão, que contou com a presença do Ministro do Planeamento, Nelson Souza, responsável pela coordenação do documento, para além da questão do rio Nabão, foram vincadas algumas das intervenções urgentes para o distrito e que devem ser contempladas neste plano, como é o caso da conclusão do IC3 ou do acesso ao Eco Parque do Relvão, na Chamusca.

O Plano de Recuperação e Resiliência é uma janela de oportunidade para o nosso território e chegou o momento de nos unirmos, deixando as questões de demagogia de lado. O distrito merece esta união.

Deputado na Assembleia da República e membro das Comissões de Economia, Inovação e Obras Públicas e Habitação, é também membro da Comissão de Orçamento e Finanças. Diz adorar o Ribatejo e o nosso país. Defende uma política de proximidade junto dos cidadãos. Tem 36 anos, é de Tomar e licenciou-se em Economia pelo ISEG. É membro da Assembleia Municipal de Tomar e da Assembleia da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo. Tem como temas de interesse a economia, a energia, os transportes, o ambiente e os fundos comunitários.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).