“Uma voz ativa em Lisboa pela defesa do distrito”, por Hugo Costa

Hugo Costa avança para a presidência da Federação Distrital do PS de Santarém. Foto: DR

Decorrem a 18 de julho as eleições para a Federação de Santarém, um processo eleitoral que foi retomado após alguns meses suspenso devido à situação da pandemia covid-19. Como sabem, sou candidato único à presidência da Federação do Distrito de Santarém pelo PS e parto para este ato eleitoral com o sentimento de que, mesmo perante esta situação extraordinária, a candidatura “Proximidade e Confiança – Um PS para todos” conseguiu estar próxima de todos. Agradeço o empenho e o apoio de todos os que se mantiveram a meu lado nesta caminhada e sublinho a importância da participação nos actos eleitorais internos seguindo, obviamente, as recomendações da Direcção Geral de Saúde.

PUB

Os motivos pelos quais sou candidato a Presidente da Federação do PS de Santarém já são publicamente conhecidos. No topo da agenda de trabalho está a necessidade de construir um projeto unificador, razão pela qual pretendo ser uma voz pela unidade regional. Sabemos que existem desafios que importam superar para que a região retome a sua trajetória de desenvolvimento e que passam pelas áreas das infraestruturas, ambiente, a coesão territorial, entre outras.

Devemos combater a desinformação, buscando soluções em diálogo e em proximidade, sendo que esta é uma candidatura onde todos têm lugar. Devemos dar o exemplo no combate à corrupção, na defesa da transparência no exercício de cargos públicos, de agir contra o compadrio, enaltecer o mérito e não deixar para trás aqueles que lutaram e deram a cara pelo PS ao longo da sua História. Por este motivo, a Federação deve ouvir cada um dos seus militantes, propiciando a participação, a renovação e a oportunidade a novos protagonistas.

PUB

Não devemos ter medo da palavra política. Por isso, pretendo continuar com a boa prática da criação de um Gabinete de Estudos e departamentos na Federação e pretendo constituir, também, um Conselho Estratégico que vise ouvir toda a região. As novas gerações também devem ser acolhidas de modo a que não se sintam defraudadas e tenham no PS uma porta aberta para o debate e também as Mulheres Socialistas terão essa porta aberta, no combate pela igualdade de género e de oportunidades.

O combate à desigualdade e a tolerância devem estar em primeiro lugar, sendo que a nossa candidatura tem uma visão de sociedade onde a solidariedade é ponto chave. Do ponto de vista da economia, devemos estar próximos das empresas e da realidade do nosso tecido empresarial. Por isso proponho agendas temáticas e setoriais que permitam a auscultação do setor.

PUB

As infraestruturas são um desafio que obriga a conciliação e o departamento dessa área assumirá essa responsabilidade. O transporte ferroviário é, sem dúvida, a prioridade que devemos apostar no país e na região, e em segurança, resolvendo os problemas crónicos da região. A educação e a inovação são prioridade na região sendo que este tema terá forte importância no trabalho do secretariado, assim com a saúde e a segurança social. A nossa fileira agrícola é de excelência e devemos potenciá-la.

O ambiente e o combate às alterações climáticas são centrais pelo que a descarbonização, os novos desafios verdes, eficiência energética e a utilização de energias limpas são desafios aos quais não podemos deixar de responder. Devemos lutar para a baixa das portagens na A23 e A13 como forma de garantir coesão, mas, simultaneamente, atrair investimento para toda a nossa região, fazendo da demografia e do combate à desertificação do interior vai ser uma prioridade na agenda.

Por fim, e não menos importante, as eleições autárquicas que são o principal desafio do mandato a que me candidato. Enquanto presidente de Federação estarei sempre na primeira linha do combate autárquico, e do reforço do PS na região. Confio nas 21 concelhias eleitas para gerir, em conjunto com a distrital, o processo autárquico.

A poucos dias deste ato eleitoral, estou confiante de que esta candidatura serve a causa que me move e que passa pela defesa de uma maior unidade regional e por ser uma voz ativa em Lisboa na defesa deste território e das suas gentes.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here