Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Novembro 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Uma região turística com qualidade ouro”, por Hugo Costa

Algumas semanas após termos entrado numa segunda fase de desconfinamento, aos poucos voltamos a fazer planos para desfrutar de férias com a família e amigos, agora com a consciência de que os cuidados terão que ser redobrados pois a verdade é que, sem vacina, o vírus SARS-CoV-2 continua a ser uma ameaça bem presente.

- Publicidade -

O desafio que agora nos é colocado é o de fazermos a nossa vida, naturalmente, neste quadro verdadeiramente atípico, que nos exige medidas de distanciamento e equipamentos de protecção sempre que estamos em contacto social. A máscara tornou-se um acessório indispensável nas nossas vidas. Deste modo, talvez os planos que tenhamos feito anteriormente também tenham que sofrer algumas alterações, a bem da nossa saúde e de quem nos rodeia.

Deste modo, e olhando para os recursos que existem aqui bem perto, no distrito de Santarém, pudemos verificar que existe uma oferta rica e diversificada, por exemplo, no que concerne a praias fluviais onde, com tranquilidade e sem as multidões de banhistas, poderemos usufruir de uns dias de diversão e relaxe, ainda por cima com a certeza de que a água é de qualidade excelente.

- Publicidade -

Destaco as recentes notícias que deram conta da atribuição pela Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza que deu “Qualidade Ouro” a mais de uma dezena de praias fluviais da região do Médio Tejo. Desse modo, e citando exatamente uma notícia publicada pelo mediotejo.net, ressalva para a Aldeia do Mato (Abrantes), o Lago Azul/Castanheira (Ferreira do Zêzere), Carvoeiro (Mação) e Alverangel e Vila Nova-Serra (Tomar), sendo ainda de destacar o Agroal (Ourém) e Bostelim, Penedo Furado e Pego das Cancelas (Vila de Rei).

No distrito de Santarém existem outros atrativos, igualmente apetecíveis, para uma escapadinha de fim-de-semana ou uns dias relaxantes, como visitar a belíssima aldeia piscatória de Escaroupim (Salvaterra de Magos) ou a aldeia avieira de Caneiras junto ao Tejo, com as suas casas de madeira sobre palafitas. Motivos mais do que suficientes para fazer férias no mercado interno e ajudar a alavancar a economia regional nesta fase crucial de relançamento. O distrito de Santarém é ouro para quem escolhe fazer férias cá dentro e igualmente ganha destaque aldeia de Valada no concelho do Cartaxo.

Importa salientar, por este motivo, a importância que tem o turismo na região e no Médio Tejo, no sentido de se reforçar o relançamento da economia para reduzir os impactos económicos e sociais provocados pela pandemia. Exemplo deste esforço foi o aprovado na Assembleia da República, no passado dia 5 de junho, através de uma Recomendação do PS, da qual sou um dos subscritores.

Segundo as Nações Unidas, esta será a crise mais desafiadora que enfrentamos desde a Segunda Guerra Mundial e também de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Em 2020, o PIB terá uma quebra de 3% em termos mundiais e de 7,5% na zona Euro. Deste modo, e porque o Turismo, conjuntamente com o transporte aéreo, será um dos setores mais afetados por esta crise global importa mais que nunca, neste momento, promover o turismo interno, sendo de destacar que o Governo tem vindo a adotar um conjunto de medidas muito importantes, de natureza excecional, de apoio às empresas e ao emprego em geral – e em alguns casos especificamente para o Turismo.

Falo, por exemplo, da adopção de um Plano de Ação de Apoio e Relançamento do Turismo em Portugal para o período 2020-2021, da criação de linhas de apoios às empresas ou da implementação, com as devidas adaptações e em articulação com as entidades competentes,  do selo “Clean & Safe”, promovido pelo Turismo de Portugal, a outras áreas que integram a atividade turística, nomeadamente em atrações turísticas de âmbito natural e cultural.

A atratividade e a promoção dos territórios do interior deve – e bem – continuar a ser reforçada, enquanto destinos de maior contacto com a natureza e com menor densidade populacional e turística, em articulação com as entidades regionais de turismo. Aliás, esta recomendação indica que o Governo deve assumir, no imediato, o Turismo Interno como a primeira prioridade para alavancar o arranque da atividade turística nacional, desenvolvendo, para o efeito, uma campanha promocional para o Turismo interno.

Também foi recomendado que se prepare uma estratégia de promoção turística internacional e de captação de rotas aéreas e de operações turísticas para todo o país, para o período pós Covid-19, sensibilizando-se as autarquias locais no sentido de virem a promover uma suspensão ou redução temporárias das taxas municipais de licenciamento e de operação que recaem sobre as atividades turísticas.

Com os recursos naturais existentes e as medidas excepcionais adequadas, estou certo de que o caminho que todos queremos será retomado.

Deputado na Assembleia da República e membro das Comissões de Economia, Inovação e Obras Públicas e Habitação, é também membro da Comissão de Orçamento e Finanças. Diz adorar o Ribatejo e o nosso país. Defende uma política de proximidade junto dos cidadãos. Tem 38 anos, é de Tomar e licenciou-se em Economia pelo ISEG. É membro da Assembleia Municipal de Tomar e da Assembleia da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo. Tem como temas de interesse a economia, a energia, os transportes, o ambiente e os fundos comunitários.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome