“Uma estação dos CTT em cada concelho”, por Hugo Costa

O serviço público postal universal é, ao longo da História, um sinónimo de integração, unidade territorial e independência garantindo aos munícipes respostas que facilitam a sua vida quotidiana. Deste modo, para salvaguardar a qualidade do serviço público postal universal, o Grupo Parlamentar do PS entregou no Parlamento, esta segunda-feira, 25 de novembro,  um projecto de resolução que recomenda ao Governo a abertura de uma estação de correios em cada concelho.

PUB

Esta foi uma iniciativa necessária, na qual fui um dos primeiros subscritores, uma vez que entendo, tal como os restantes signatários, que os CTT são uma referência de soberania e de integração, sendo um elemento central dos serviços públicos que um país deve conceder aos seus cidadãos. Para além disto, estes serviços sempre apresentaram resultados muito relevantes, quer na perspetiva económica, quer na ótica do serviço, funcionando como um instrumento de coesão social e territorial.

Recordo que esta apreensão em relação ao futuro do Serviço Postal universal deriva da decisão do antigo Governo PSD/CDS de privatização dos CTT e consequente entrega das responsabilidades públicas a privados de forma que consideramos imponderada e lesiva dos interesses dos portugueses. Desde então que assisto, impávido mas não sereno, a uma preocupante degradação do serviço prestado, plasmado no encerramento de estações por todo o país e consequente diminuição do número de trabalhadores.

PUB

Também os munícipes foram fortemente lesados com esta decisão, uma vez que o encerramento de estações levou a que tivessem que percorrer outras distâncias para conseguir o mesmo serviço. Deste modo, e face a estas preocupações, de modo a garantir os requisitos mínimos para a prossecução do contrato de concessão, os deputados do PS recomendam – e bem –  a existência de pelo menos uma estação de correio em todos os concelhos do país.

PUB

O novo presidente da Comissão Executiva dos CTT  já veio a público garantir que a empresa não iria encerrar mais estações e que as iria reabrir nos concelhos que ficaram privados de qualquer estação, o que foi encarado pelo Grupo Parlamentar do PS como uma nova fase do relacionamento entre os CTT e o povo português.

É, no entanto,  indispensável salvaguardar que a prestação do serviço postal universal continua no caminho de revalorização. Nesse sentido, e nunca nos esquecendo que, no final de 2020, irá terminar a concessão deste serviço, entendemos que cabe ao Governo garantir que, independentemente do modelo que vier a ser implementado, os CTT têm capacidade de assegurar a qualidade do serviço público universal e que as populações são respeitadas na concretização deste serviço de proximidade.

Porque a defesa do serviço postal universal é uma luta que vale a pena, aqui estou na dianteira.

PUB

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here