“Um problema para cada solução”, por Vasco Damas

Por comodidade, devido a um acréscimo pontual de trabalho e porque não perdeu atualidade, aliás, perdoem-me a falta de modéstia, mas presumo que ele será intemporal, recupero um texto que escrevi há alguns anos.

Outrora, em contexto profissional, ouvi alguém agradecer ao seu interlocutor pela sua colaboração e pelo seu profissionalismo. A resposta foi lapidar e demonstrou um rasgo de humildade ao mesmo tempo que provocava o seu quê de surpresa. “Eu é que agradeço estar sempre disponível para ajudar e não para complicar.”

A minha primeira reação foi sorrir ao ouvir aquela “troca de galhardetes” mas aquela frase não me abandonou e ficou a ecoar dentro de mim, fazendo-me refletir mais tarde sobre a sua verdadeira profundidade.

PUB

De facto a vida está cheia daqueles que são um problema para cada solução quando a realidade pede precisamente o inverso. Penso que não precisamos fazer um grande esforço de memória para identificar rapidamente vários “conhecidos” que se enquadram neste padrão. Se, ao contrário, todos nos preocupássemos em ser a solução para cada problema, desgastar-nos-íamos menos e estaríamos mais predispostos e disponíveis para fazer a diferença e acrescentar valor.

Isto é transversal a tudo e enquadra-se tanto na vida pessoal como na vida profissional. A minha leitura é que as inseguranças individuais e os complexos de inferioridade promovem esta necessidade de afirmação e, não raras vezes, complicam o que é simples.

Quando desconstruímos e temos a humildade de não querer mostrar mais do aquilo que somos, o processo simplifica-se e o problema fica mais perto da solução.

É uma questão de atitude e de vontade mas, essencialmente, digo eu, de carácter, de formação e de educação.

Esta fogueira de vaidades, provocada por um exacerbado culto da personalidade na primeira pessoa do singular sintetiza tudo aquilo que devemos evitar socialmente. Este deve ser o primeiro passo.

Termos consciência do ridículo, identificarmos os sinais e evitarmos realizar a sua reprodução. O passo seguinte deverá ser a identificação dos mesmos sinais e afastarmo-nos de quem os pratica. Pela tranquilidade da nossa sanidade mental, pela nossa felicidade e essencialmente porque a idade já nos permite fazer a seleção entre aqueles que valem a pena acrescentando-nos valor e os outros.

Que é como quem diz, junta-te aos bons e serás um deles ou vice-versa como em tantas outras coisas na vida. Sendo assim, como teremos sempre essa opção, fica nas “nossas mãos” decidirmos em conformidade.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here