Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sexta-feira, Julho 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terminam hoje as restrições à circulação na Ponte de Abrantes

A Infraestruturas de Portugal informa que esta quinta-feira, a partir do final do dia, serão levantadas as atuais restrições à circulação automóvel a veículos ligeiros e pesados sobre o tabuleiro da Ponte Metálica de Abrantes.

Em comunicado, a IP refere que a obra de requalificação da ponte metálica de Abrantes, que teve início em setembro de 2014, representa um investimento de 2,9 milhões de euros na “melhoria das condições de segurança e conforto dos utilizadores” desta ligação sobre o rio Tejo.

- Publicidade -

A IP, no mesmo documento, faz notar que “a intervenção na ponte irá decorrer até final do mês de maio”, tendo observado que, “no entanto, com a conclusão esta quinta-feira, dia 28 de abril, dos trabalhos nas juntas de dilatação, terminam as intervenções sobre o tabuleiro e que obrigavam à implementação continuada de condicionamentos de tráfego”.

O contrato da empreitada para a reabilitação da ponte metálica de Abrantes sobre o Tejo, obra orçada em 2,9 milhões de euros, a executar em 18 meses, foi assinado pela Câmara de Abrantes e pela Estradas de Portugal (EP) a 30 de janeiro de 2014, tendo a intervenção arrancado em setembro do mesmo ano, com a previsão de conclusão dos trabalhos para final de 2015.

- Publicidade -

Durante a segunda fase de intervenção, e desde fevereiro de 2015, na ponte que liga Rossio ao Sul do Tejo a Abrantes, com uma extensão de 368 metros, a circulação a veículos pesados ficou interditada, ficando o trânsito condicionado a uma faixa de rodagem para os veículos ligeiros, com circulação alternada e regulada por semáforos.

O transporte público de passageiros tem, desde então, uma circulação permitida até 20 toneladas, os peões podem andar por um dos passeios da ponte e a circulação livre é permitida apenas para ambulâncias, bombeiros e forças de segurança em situação de emergência.

Os desvios foram devidamente sinalizados ao longo dos percursos alternativos, sendo que as pontes mais próximas para ultrapassar o rio são as de Alvega/Mouriscas e de Chamusca, a 20 e 30 quilómetros, respetivamente.

A intervenção, segundo a então EP, “surge em antecipação à previsível degradação desta obra, atualmente classificada com um estado de conservação de nível três” (o nível cinco é o pior) e “visa a melhoria das condições de segurança e o conforto dos utilizadores”.

Do programa de obra consta a realização de trabalhos de fundação e reforço dos pilares, reparação e proteção da estrutura metálica e das zonas de betão armado, repavimentação e impermeabilização do tabuleiro, beneficiação do sistema de drenagem, colocação de guardas de segurança e juntas de dilatação, reparação do sistema elétrico e substituição de todos os elementos danificados, bem como a limpeza geral da ponte.

Quanto à iluminação, segundo foi anunciado no arranque dos trabalhos, “toda a instalação existente será substituída e serão disponibilizadas soluções que visem a sua eficiência energética”.

A pintura da ponte será também garantida com a realização da obra, cuja reabertura total ao tráfego conheceu quatro adiamentos.

 

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. ISTO DEVE SER MAIS UMA BRINCADEIRA DE MAU GOSTO, DA PARTE DE ALGUÉM. MAS ESTA GENTE DEVIA SER RIGOROSA,E SÉRIA. PASSAI LÁ DUAS VEZES NO DIA DE ONTEM,QUARTA FEIRA, E A SEGUNDA VEZ,CERCA DAS 19h00, NO SENTIDO CIDADE/ROSSIO, E VI MUITO TRABALHO POR FAZER. NEM NA PRÓXIMA SEMANA. OU NÃO ACABAM OS PASSEIOS LATERAIS ? E A REMOÇÃO DOS POSTES DE ILUMINAÇÃO, ? TAMBÉM NÃO É FEITA ? OU VÃO EXECUTAR ESTES TRABALHOS, COM O TRANSITO NA MÁXIMA FORÇA,NOS DOIS SENTIDOS ? E A SEGURANÇA DO PESSOAL ? ISTO,SÓ NESTE PAÍS,ONDE SE LEVA TUDO A BRINCAR. MESMO AS COISAS MAIS SÉRIAS. SENHORES DAS INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, GANHEM JUÍZO,PEÇAM A DEMISSÃO, E VÃO PARA CASA DORMIR, Q. É O MELHOR Q. FAZEM, DO Q. ANDAREM A BRINCAR COM O POVO, E, COM O DINHEIRO DO POVO.

  2. Compreendo o seu comentário. Partilho as preocupações de segurança. O ideal é estar tudo pronto e “inaugurar”. Mas há soluções boas e outras óptimas. Para quem utiliza várias vezes a ponte por dia, a antecipação de cerca de um mês, na abertura total do trânsito nos dois sentidos é uma grande mais valia. Sou um cidadão independente, raramente utilizo a ponte mas sei o que as obras tem custado a muito utilizadores da ponte, comércio local, etc… Por isso fico muito satisfeito pela ponte já estar aberta nos dois sentidos (mesmos com alguns constrangimentos devido à continuação das obras…). Numa ponte que é vital para milhares de utentes diários mais vale um solução de compromisso oportuna do que uma solução ideal mas mais tardia…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here