Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Agosto 2, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

ÚLTIMA HORA: Ponte de Abrantes acaba de reabrir ao trânsito nos dois sentidos (C/VÍDEO)

A Infraestruturas de Portugal (IP) decidiu reabrir à última hora, ao final da tarde de hoje, quinta-feira, 14 de abril, a ponte rodoviária de Abrantes à circulação rodoviária nos dois sentidos, uma medida justificada “para não penalizar mais os utilizadores” daquela via, onde os trabalhos se iniciaram em 2014.

- Publicidade -

Em declarações ao mediotejo.net, fonte da IP disse que os trabalhos “ainda não estão concluídos devido às condições climatéricas adversas que se fazem sentir, mas que não era necessário manter os constrangimentos à circulação rodoviária até à próxima segunda-feira, ou até o tempo melhorar para a empresa poder impermeabilizar o tabuleiro da ponte”.

A circulação está a ser feita desde o final da tarde de hoje, quinta-feira, nos dois sentidos, algo que já não acontecia há mais de um ano. A circulação, no entanto, vai continuar interdita a viaturas pesadas até à conclusão dos trabalhos, segundo a mesma fonte.

- Publicidade -

“A reabertura definitiva da travessia ao trânsito nos dois sentidos precisa apenas de mais dois ou três dias de sol, para se poder meter a última camada impermeabilizante, e levantar definitivamente todos os constrangimentos.”

As obras de requalificação da ponte rodoviária de Abrantes, orçadas em 2,9 milhões de euros, começaram em setembro de 2014 e tinham um prazo de execução de 18 meses, para ficarem concluídas em novembro de 2015. Depois de vários adiamentos, a abertura ao trânsito nos dois sentidos chegou a estar anunciada para o próximo sábado, 16 de abril. Mas, apesar do mau tempo, a boa nova chegou dois dias mais cedo para aqueles que têm de fazer a travessia do Tejo regularmente.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome