Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Novembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Polícia da República Checa encontra corpo no prédio onde vivia o jovem estudante abrantino desaparecido

O jornal “Krimi Plzen”, da República Checa, avançou às 21h30 desta segunda-feira a notícia de que as autoridades policiais checas encontraram o corpo de um jovem do sexo masculino no fundo de um saguão do prédio onde vivia Tomás Alcaravela, o estudante de Medicina de Abrantes que desapareceu no passado sábado.

- Publicidade -

Não há ainda confirmação oficial de que se trate do jovem abrantino, tendo sido decretada por um juiz a necessidade da realização de uma autópsia, para apurar a identidade e investigar o que terá acontecido, avança o mesmo jornal.

Segundo a notícia, Tomás Alcaravela vivia no último andar deste prédio na rua Pushkin e a janela da casa de banho dava para uma espécie de poço, ou saguão, com uma clarabóia de vidro. O corpo encontrado encontrava-se no fundo desse espaço, aparentando ter caído de uma das janelas superiores. Os bombeiros foram chamados para retirar o jovem e quando o alcançaram, tendo de recorrer a técnicas de escalada com cordas, este já se encontrava sem vida.

- Publicidade -

Créditos: jornal Krimi Plzen

(em atualização)

NOTÍCIA RELACIONADA

Abrantes | Família junta-se às buscas de Tomás Alcaravela, desaparecido na República Checa

 

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome