PUB

Tribunal de Abrantes adia leitura de sentença da RPP Solar por dívidas à Segurança Social

O Tribunal de Abrantes adiou hoje a leitura da sentença dos administradores da RPP Solar – Energias Solares, S.A. para o dia 17 de novembro, tendo a juíza pedido informações suplementares para a tomada de decisão.

PUB

No banco dos réus está o empresário Alexandre Alves, acusado de um crime de abuso de confiança por dívidas à Segurança Social, e em causa está uma verba inicial de cerca de 14 mil euros correspondente ao valor de contribuições dos trabalhadores não entregues à Segurança Social e retidas a partir dos salários.

A 21 de outubro, segundo a juiza, o montante ascendia já a 63 mil euros, devido aos juros de mora.

PUB

A verba em dívida refere-se ao período entre julho de 2010 e março de 2011, pode ler-se na acusação do Ministério Público, que também refere a arguida Irene de Brito, da administração.

É nas dúvidas sobre as datas que reside a justificação do pedido de informações suplementares à Segurança Social no prazo de 10 dias, uma vez que, no entender da juíza, Hélia Agostinho, “faltam elementos para precisar a data de pagamentos” de ordenados e da respetiva retenção dos vários trabalhadores.

PUB

Em declarações à agência Lusa, Vítor Mourisco, o advogado oficioso do empresário Alexandre Alves, disse que, “na prova feita até este momento, tais factos estão prescritos, uma vez que já passaram cinco anos desde a prática dos atos até à constituição da condição de arguido. O que não quer dizer que à luz dos novos factos não se faça prova relativamente aos créditos reclamados a partir de novembro de 2010”, observou.

“Ao abrigo da lei, a juíza quer averiguar novos factos aduzidos no mais recente relatório do administrador de insolvência para tentar perceber se a dívida está prescrita ou não”, vincou.

Segundo o advogado, “os 10 dias pedidos à Segurança Social vão permitir averiguar e continuar a diligência” através deste pedido de informação suplementar.

Na acusação do Ministério Público pode ler-se que, “ao invés de entregar os montantes acima discriminados à Segurança Social, os arguidos optaram por fazer suas as referidas quantias, utilizando-as em proveito próprio e integrando-as no seu património da sociedade arguida, obtendo desse modo vantagens patrimoniais e benefícios que sabiam ser indevidos e proibidos por lei”.

Em 2008, Alexandre Alves e Irene de Brito adquiriram um terreno à Câmara de Abrantes por 10% do seu valor patrimonial (um milhão de euros) com o objetivo de criar um complexo industrial para construção de painéis fotovoltaicos.

Na altura foi anunciado um investimento de mil milhões de euros e a criação de 1.900 postos de trabalho, mas o projeto não se concretizou “devido à crise que se instalou em Portugal e no mundo”, apesar da edificação de alguns pavilhões e da criação de rede de infraestruturas num terreno em Concavada, Alvega, no concelho de Abrantes, que pertencem agora à RPP Solar – Energias Solares, SA.

À saída do tribunal, Alexandre Alves disse à Lusa que as dívidas vão ser “todas pagas até ao mês de dezembro” e que vai recomeçar a trabalhar na fábrica de painéis solares “no início do ano” de 2017.

 

PUB
PUB
Agência Lusa
Agência de Notícias de Portugal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).