Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tramagal: Casal da Coelheira no 1º lugar do ranking dos Melhores Vinhos do Tejo

O Clube de Vinhos Portugueses colocou os vinhos do Casal da Coelheira, de Tramagal, Abrantes, nos 3 primeiros lugares do Ranking 2015 que categorizam os Melhores Vinhos do Tejo, e que relaciona a qualidade/preço.

- Publicidade -

“É um orgulho para nós estarmos posicionados no topo da classificação do Clube de Vinhos Portugueses e logo nas três categorias. É algo inédito no Casal da Coelheira, uma satisfação para toda esta equipa”, disse ao mediotejo.net Nuno Rodrigues, enólogo e proprietário do Casal da Coelheira, Sociedade Agrícola, Lda.

Nos tintos, o Mythos Tinto 2012 obtém a classificação de 19,5 valores (18,5€), a par do Casa do Cadaval Cabernet Sauvignon 2012 (9,95€), e coloca ainda o Casal da Coelheira Reserva Tinto de 2012 na 3ª posição da tabela, com uma classificação de 18,5 (preço unitário de 5,50€).

- Publicidade -

Nos brancos, o Casal da Coelheira Branco Reserva de 2014 é considerado o melhor vinho do Tejo com uma nota de 19 valores (a um preço unitário de 8,5€).

Também nos Rosé os vinhos produzidos em Tramagal ocupam o primeiro lugar do ranking, sendo que o Casal da Coelheira Rosé 2014 surge no 1º lugar com uma classificação de 17,5 e um preço unitário de 4,95€ a garrafa de 7,5 cl.

“É muito importante esta distinção dos nossos vinhos e a relação que se faz neste ranking da relação entre a qualidade do produto e o preço ao consumidor”, destacou Nuno Rodrigues.

tejo-tintotejo-branco

tejo-rose

Mais informação sobre a classificação dos vinhos em https://clubevinhosportugueses.wordpress.com/2016/01/03/ranking-2015-melhores-vinhos-tejo/

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here