Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tramagal | Unidade de Cuidados na Comunidade de Abrantes sensibilizou para o pé diabético (c/video)

No âmbito da comemoração do Dia Mundial da Diabetes, que se assinala esta quarta-feira, dia 14 de novembro, a Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC) de Abrantes promoveu uma ação de (in)formação sobre “O cuidado aos pés na pessoa com diabetes”, iniciativa que decorreu para 15 ajudantes de ação direta do Centro Social e Paroquial Nossa Senhora da Oliveira, em Tramagal, instituição de cariz social que trabalha com cerca de 60 utentes, 35 dos quais em apoio domiciliário.

- Publicidade -

- Publicidade -

A ação foi conduzida pela enfermeira e coordenadora da UCC, Helena Olhicas, e pela enfermeira Maria dos Anjos, tendo sido relevado que o pé diabético é um dos grandes problemas desta “doença silenciosa” que afeta cerca de 640 mil portugueses e que mata 15 pessoas por dia, podendo levar a amputações dos membros inferiores, caso nãos sejam seguidos os procedimentos e os cuidados recomendados pelo doente, a par da vigilância e apoio familiar.

A ação foi conduzida pela enfermeira e coordenadora da UCC, Helena Olhicas, e pela enfermeira Maria dos Anjos, tendo sido relevado que o pé diabético é um dos grandes problemas desta “doença silenciosa” Foto: mediotejo.net

- Publicidade -

Portugal posiciona-se entre os países europeus que registam uma das mais elevadas taxas de prevalência da Diabetes a qual foi estimada em 9,9% da população portuguesa, o que corresponde a cerca de 640 mil indivíduos, de acordo com os dados divulgados hoje pelo Instituto Ricardo Jorge.

Tramagal l UCC sensibiliza para a diabetes.

Publicado por mediotejo.net em Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

O dia 14 de novembro existe por causa de todas estas pessoas com diabetes e para travar o crescimento imparável da pandemia de diabetes, tendo esta data sido escolhida por ser o aniversário de Frederick Banting, o médico canadiano que juntamente com o seu colega, Charles Best, conduziu as experiências que levaram à descoberta da Insulina em 1921.

O pé diabético é um termo usado para referir o maior risco que os diabéticos têm de apresentar problemas nos pés, como feridas, trombose, infeções e úlceras, problema que é mais comum quando a doença não é bem controlada. Apesar da presença dos sintomas, como sensação de ‘formigueiro’, a maior parte dos diabéticos só percebe a gravidade do problema quando surge uma ferida ou infeção que não passa.

A situação ocorre quando os níveis de açúcar se mantêm elevados por muito tempo e o sangue tem mais dificuldade de chegar às extremidades do corpo, sendo os pés são a região mais afetada pela má circulação.

Dessa forma, o ideal é que todos os diabéticos, além de fazerem o tratamento adequado, tentem prevenir problemas nos pés, tendo cuidados como usar sapatos confortáveis, cortar as unhas em “linha reta”, não retirar calos, e procurar o médico logo que surgir alguma alteração nos pés.

O pé diabético é um termo usado para referir o maior risco que os diabéticos têm de apresentar problemas nos pés. Foto: DR

Nos casos mais graves, pode ser necessário fazer cirurgia para retirar a região afetada da pele e favorecer a cicatrização. No entanto, quando a ferida não é detetada logo ou quando o paciente não cumpre o tratamento adequadamente, pode ser necessário amputar o pé ou parte do pé.

As atividades organizadas pela UCC decorrem ao longo desta semana, de 12 a 16 de novembro, com diversas ações que visam a sensibilização sobre a prevenção da doença, nomeadamente a avaliação do risco de Diabetes tipo 2. Esta avaliação decorrerá no Mercado de Abrantes ainda na quinta-feira e sexta-feira, dias 15 e 16 de novembro, entre as 09:00 e as 12:00.

A grande finalidade desta iniciativa de cariz comunitário é consciencializar a população para problemática da diabetes e para a importância da prevenção e do seu controlo. Foto: mediotejo.net

Como complemento à avaliação do risco de diabetes tipo 2, a UCC de Abrantes irá dinamizar mais algumas sessões de sensibilização sobre esta problemática, sendo que, esta quinta-feira, dia 15 de novembro a temática a abordar será “Envelhecimento ativo e estilos de vida saudável, numa sessão a desenvolver na Universidade da Terceira Idade de Abrantes, das 14:00 às 16:00, destinada aos alunos e frrequentadores da UTIA.

A grande finalidade desta iniciativa de cariz comunitário é consciencializar a população para problemática da diabetes e para a importância da prevenção e do seu controlo.

As iniciativas desta semana são desenvolvidas pela Unidade de Cuidados na Comunidade de Abrantes, a funcionar desde o dia 17 de setembro, em colaboração com a autarquia de Abrantes e com a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Abrantes.

No âmbito da comemoração do Dia Mundial da Diabetes, que se assinala esta quarta-feira, dia 14 de novembro, a Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC) de Abrantes promoveu uma ação de (in)formação sobre “O cuidado aos pés na pessoa com diabetes”. Foto: mediotejo.net

A presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, associou-se esta manhã à ação de sensibilização para a prevenção da Diabetes, no âmbito da comemoração do Dia Mundial, que se assinala esta quarta-feira, numa iniciativa da Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC) de Abrantes e que decorreu na Praça Barão da Batalha. As ações de medição da diabetes vão acontecer até sexta-feira, dia 16, da parte da manhã, no Mercado Diário. Entretanto, porque a cor azul é oficialmente o símbolo da diabetes, a autarquia tem mantido ativa a iluminação lúdica da ponte rodoviária que é possível observar durante a noite.

Como complemento à avaliação do risco de diabetes tipo 2, a UCC de Abrantes está a dinamizar sessões de sensibilização sobre esta problemática.
Foto: CM ABT

Diabetes afeta mais homens e pessoas sem atividade profissional e menos escolarizadas

Cerca de 640 mil portugueses (9,9%) sofriam de diabetes em 2015, uma doença mais frequente nos homens e nas pessoas sem atividade profissional e com menos escolaridades, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Ricardo Jorge.

Os dados fazem parte do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF), realizado pelo Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), que analisou o estado de saúde da população residente em Portugal, em 2015, com idade entre os 25 e os 74 anos.

Segundo os dados, divulgados a propósito do Dia Mundial da Diabetes, que hoje se assinala, 641 mil portugueses (9,9%) foram classificados como diabéticos.

A diabetes foi mais frequente nos homens (12,1%), no grupo etário dos 65-74 anos (23,8%), nas pessoas sem atividade profissional (20,6%) e com menos escolaridade (20,1%).

Estes dados foram obtidos a partir das medições da hemoglobina glicosilada efetuadas e de dados obtidos por questionário.

Foram considerados diabéticos as pessoas (não incluindo mulheres grávidas) que tinham hemoglobina glicosilada igual ou superior a 6,5%, que reportaram a toma de medicação para a diabetes nas duas semanas anteriores à entrevista ou que disseram ter diabetes.

O primeiro INSEF foi desenvolvido em 2015 para recolha de informação epidemiológica sobre o estado, determinantes e cuidados de saúde da população portuguesa.

Foram estudadas 4911 pessoas, na sua maioria em idade ativa (84,3% com idade entre os 25 e os 64 anos), quase dois terços (63,4%) dos quais “sem escolaridade ou com escolaridade inferior ao ensino secundário” e 11,2% desempregados.

“Este Inquérito teve como mais-valia o facto de conjugar informação colhida por entrevista direta ao indivíduo com dados de uma componente objetiva de exame físico e recolha de sangue”, refere o INSA.

O INSEF tem como finalidade contribuir para “a melhoria da saúde dos portugueses, apoiando as atividades nacionais e regionais de observação e monitorização do estado de saúde da população, avaliação dos programas de saúde e a investigação em saúde pública”.

C/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome