Domingo, Fevereiro 28, 2021
- Publicidade -

Tramagal | Junta de Freguesia quer devolver “dignidade” ao Museu “A Forja” (c/ÁUDIO)

Preocupada com o estado de degradação do Museu “A Forja”, um espaço privado inaugurado em 1980 mas que revela uma evidente falta de manutenção, quer nos utensílios usados pelo fundador da Metalúrgica Duarte Ferreira ali expostos, quer na envolvente do espaço, a Junta de Freguesia de Tramagal quer assumir a gestão do museu ao ar livre para poder intervir e devolver dignidade àquele espaço.

- Publicidade -

“O Museu a Forja ainda está em mãos privadas mas há toda a abertura para sentarmo-nos à mesa, e passar para a jurisdição da junta da freguesia ou do município e dar a dignidade que aquele Museu merece”, disse o presidente da Junta de Freguesia de Tramagal, Vitor Hugo Cardoso, reconhecendo o estado de degradação do recheio daquele espaço bem como da sua envolvente. O autarca deu ainda conta que, depois de uma primeira tentativa, haverá nova candidatura para a segunda fase da obra no Museu da Metalúrgica.

ÁUDIO VITOR HUGO CARDOSO, PRESIDENTE JF TRAMAGAL:

- Publicidade -

O Museu ‘A Forja’, instalada ao ar livre num espaço protegido por vidro à prova de bala, recria uma forja do fim do século XIX, como aquela que teria iniciado o negócio da MDF. Foi fundado a 1 de Maio de 1980, para comemorar os 100 anos da primeira forja de Eduardo Duarte Ferreira, tendo sido projectado pelo arquitecto Charters de Almeida.

Neste museu ao ar livre estão os utensílios utilizados na forja da Metalúrgica Duarte Ferreira, fundada por Eduardo Duarte Ferreira, sendo um importante marco que relata a história da metalurgia e do desenvolvimento agrícola e industrial de Abrantes.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Boa noite.
    Complemento o artigo referindo que dos utensílios utilizados e que estão no interior, jaz moribundo no chão, o metal, a madeira e a lona podre como testemunho do que um dia foi um fole. Armindo Silveira

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).