Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Dezembro 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | Ricardo Batista conquistou título mundial de triatlo em juniores

O português Ricardo Batista, da Escola de Triatlo de Torres Novas, conquistou na sexta-feira o título mundial de triatlo em juniores em representação de Portugal, ao vencer a prova final do campeonato, em Lausana, na Suíça.

- Publicidade -

Ricardo Batista cumpriu os 750 metros de natação, 20 quilómetros de bicicleta e os cinco de corrida em 55.05 minutos, menos sete segundos do que o australiano Redmond Lorcan, segundo classificado.

“Foi, realmente, inacreditável, uma boa corrida. Treinei muito e durante muito tempo para isto. Estava preocupado com o percurso de ciclismo, porque estava num grupo alargado, e tentei-me manter seguro e poupar as pernas. Depois, na transição para a corrida, consegui destacar-me”, afirmou o triatleta luso, que, em junho, conquistou a medalha de bronze no Europeu da categoria.

- Publicidade -

O português Ricardo Batista, da Escola de Triatlo de Torres Novas, conquistou na sexta-feira o título mundial de triatlo em juniores em competição disputada na Suíça. Foto: DR

O espanhol Sergio Baxter Cabrera terminou na terceira posição, a 11 segundos do vencedor.

Alexandre Montez concluiu a prova no 26.º lugar, em 56.23, enquanto José Vieira abandonou a prova no setor da corrida.

Na prova feminina, Maria Tomé e Mariana Vargem não foram além dos 42.º (1:05.45 horas) e do 50.ºs (1:07.06) lugares, respetivamente, enquanto Gabriela Ribeiro desistiu durante o setor de bicicleta.

A italiana Beatrice Mallozzi sagrou-se campeã do mundo de juniores, em 1:00.41 horas, impondo-se à compatriota Costanza Arpinelli, que gastou mais um segundo do que a vencedora.

C/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome