Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | Reserva Natural do Paul do Boquilobo com nova mostra no Centro de Interpretação

Os municípios de Torres Novas e da Golegã, assim como o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), inauguraram o novo projeto expositivo do Centro de Interpretação da Reserva Natural do Paul do Boquilobo. O investimento de 50 mil euros foi financiado pela candidatura intermunicipal Rotas e Percursos no Médio Tejo, mais precisamente o projeto Rota do Almonda. 

- Publicidade -

O momento de inauguração ocorreu no dia em que se celebraram os 41 anos da Reserva Natural. Em jeito de contexto, o vereador torrejano Joaquim Cabral recordou que o projeto expositivo do Centro de Interpretação do Paul do Boquilobo encontrava-se datado dos anos 90, aquando da abertura ao público, e carecia de atualização.

“No âmbito da candidatura intermunicipal Rotas e Percursos no Médio Tejo, especificamente dedicado à valorização das áreas protegidas e cofinanciado no contexto do Programa Operacional Centro 2020, o município de Torres Novas estruturou o projeto Rota do Almonda – do Carso ao Paul, uma rota homologada (PR1TNV) de promoção, de continuidade e integração entre o Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros e a Reserva Natural do Paul do Boquilobo, com várias ações associadas”, explicou,

- Publicidade -

A atualização da exposição no Centro de Interpretação da Reserva foi considerada “prioritária”, referiu. “Os trabalhos desenvolvidos, em estreita colaboração entre o ICNF e o município de Torres Novas, incluíram a definição de uma nova imagem, novos suportes físicos, painéis e vitrina, suportes digitais de promoção da interação com o visitante, a produção de um documentário para melhor enquadramento sobre os valores da reserva e a dotação com meios para a respetiva projeção no pequeno auditório do centro”, enumerou. Toda a exposição passa também a ser bilingue, com português e inglês.

A calçada envolvente do edifício também foi reparada, assim como arranjados os espaços verdes e colocados bancos e mesas de apoio aos visitantes. O investimento, adiantou o vereador, traduziu-se em 50 mil euros.

Equipamento tem também um novo vídeo documental e informação em inglês Foto: mediotejo.net

Joaquim Cabral referiu ainda que os conteúdos são mais atrativos e acessíveis às crianças, promovendo assim mais atividades pedagógicas e maior valorização ambiental. 

Da parte do ICNF, o diretor regional Rui Pombo considerou o novo projeto expositivo um marco importante, que vai contribuir para dignificar a Reserva Natural. O Paul recebe cerca de 5 mil visitantes por ano, que procuram espaços naturais que ofereçam lazer a aprendizagem. “A visitação também contribui para a economia local e regional”, afirmou, embora o espaço não seja uma zona de visitação de massas.

Rui Pombo adiantou que estão em curso mecanismo para realizar obras de reabilitação ao edifício do Centro de Interpretação. Está também em curso um processo de co-gestão, que vai conduzir as autarquias de Torres Novas e Golegã a deter uma palavra sobre o território. “Este também é um desafio para o futuro”, concluiu.

Espaço tem novos equipamentos tecnológicos Foto: mediotejo.net

Já o presidente da Golegã, José Veiga Maltez, lembrou que o Paul do Boquilobo era uma zona pantanosa, onde há 500 anos existia inclusive malária, tendo sido desbravada pela primeira vez por marinheiros que tinham estado em contacto com a doença. Criticou também o facto do território ter estado parado durante décadas e só agora se procurar fazer alguma coisa em conjunto. “Nem sempre houve esta abertura do ICNF”, constatou. 

Apelaria assim por parcerias verdadeiras e por um diálogo profícuo, contrariando o que se fez noutras épocas. “Tenho muita memória do que não foi feito”, admitiu.

Torres Novas, Golegã e ICNF inauguraram a nova exposição. O ICNF prepara agora uma intervenção no próprio edifício

Terminaria a dizer que a Reserva do Boquilobo é conhecida, mas mal divulgada, continuando a ser pouco visitada. 

A fechar interveio o presidente de Torres Novas, Pedro Ferreira, lembrou que ainda há trabalho a fazer, reconhecendo que houve um período em que as Câmaras trabalhavam de costas voltadas. Hoje já não é assim, refletiu, havendo mais diálogo entre as instituições.

VIDEO: INTERVENÇÃO DE PEDRO FERREIRA, PRESIDENTE CM TORRES NOVAS:

 

Afirmaria também que é altura de se começar a pensar a sério numa união entre o Médio Tejo, a Lezíria e o Oeste. “O mais importante é sabermos trabalhar em conjunto”, enfrentando os desafios do território comum. 

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome