Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | PSD questiona Governo sobre destino do passivo ambiental da Fabrióleo

Os deputados do PSD na Assembleia da República (AR) eleitos pelo distrito de Santarém – João Moura, Isaura Morais e Duarte Marques – enviaram um conjunto de questões ao Ministério do Ambiente em que questionam sobre o ponto de situação do passivo ambiental que deu origem à poluição ribeira da Boa Água, em Torres Novas.

- Publicidade -

No texto é instado o Governo a agir e a encontrar soluções para o problema, salientando-se que os populares do Carreiro da Areia, no concelho de Torres Novas, continuam a ver movimentações na fábrica – a Fabrióleo – que teve ordem de encerramento. 

No documento é recordado o histórico de poluição da ribeira da Boa Água, afluente do Almonda, referindo-se que “a empresa considerada a sua maior poluente supostamente terá a sua atividade encerrada, mas segundo o testemunho de alguns populares o espaço continua a ter algumas movimentações e há dias em que continua a ser nauseabundo o cheiro que se sente nas povoações do Carreiro da Areia, Pintainhos e em toda aquela área do concelho de Torres Novas”.

- Publicidade -

Não obstante os avanços judiciais, constatam, “do ponto de vista dos cidadãos a situação continua por resolver”. O PSD recorda inclusive que o Parlamento Europeu aceitou uma petição da Associação de Defesa do Património de Torres Novas, que insta o Estado Português a agir.

Neste sentido, questiona-se o Ministério do Ambiente e da Transição Energética sobre se tem conhecimento de “alguma atividade produtiva ou acessória no espaço da empresa a quem foi decretado o encerramento”. Interpela-se também sobre a monitorização da carga de efluentes e resíduos que se mantêm no local e por um plano de acompanhamento do seu desmantelamento. Por fim, questionamento por um plano de recuperação ambiental para o local, de forma a minimizar o passivo acumulado. 

“É absolutamente fundamental que, com transparência e objetividade, o Ministério do Ambiente e da Transição Energética informe a AR e os cidadãos de qual o ponto de situação do problema ambiental na Ribeira da Boa Água, que procedimentos, diligências ou medidas já tomou ou tem previstas adotar”, conclui o documento.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome