- Publicidade -

Torres Novas | Prisão preventiva para dona de lar ilegal acusada de profanação de cadáver

A proprietária de uma casa ilegal de acolhimento para idosos em Riachos, concelho de Torres Novas, detida na sexta-feira pelo Departamento de Investigação Criminal de Leiria, vai ficar em prisão preventiva.

- Publicidade -

A mulher, de 41 anos, é suspeita da prática de dois crimes de maus tratos agravados pelo resultado morte, um crime de profanação de cadáver e dois crimes de maus tratos, ocorridos na freguesia de Riachos ao longo dos últimos meses, informa a Polícia Judiciária (PJ) de Leiria numa nota de imprensa.

Depois de ter sido detida na sexta-feira pela PJ de Leiria, a mulher foi presente no sábado ao juiz de instrução criminal no Tribunal de Tomar, que lhe decretou a medida de coação de prisão preventiva, revelou à Lusa fonte policial.

- Publicidade -

Segundo a mesma nota da PJ, a arguida arrendou uma casa que adaptou para residência de acolhimento, onde recebeu quatro idosas, cobrando uma mensalidade fixa, comprometendo-se a prestar os cuidados devidos às mesmas.

“Na sequência dos maus tratos infligidos, duas das idosas vieram a falecer, sendo que o cadáver de uma delas foi ocultado por tempo ainda indeterminado, sem que a arguida comunicasse a morte ocorrida às autoridades competentes ou a familiares”, refere a PJ.

De recordar que o município e as forças de segurança desmantelaram esta semana uma casa de acolhimento ilegal em Riachos, nas redondezas do bairro Sópovo, depois de detetadas duas mortes suspeitas entre terça e quarta-feira. As duas idosas sobreviventes foram encaminhadas para o Hospital de Torres Novas por sinais de subnutrição, tendo na sexta-feira sido reinstaladas no Centro de Bem Estar Social de Alcanena.

Na sexta-feira foi denunciada uma outra morte, ocorrida no mesmo local no final de 2020, conforme noticiou o mediotejo.net.

A Segurança Social fechou esta quinta-feira a casa de acolhimento ilegal, tendo já detectado “uma dezena” de outras estruturas similares só nesta freguesia durante os últimos meses de pandemia.

c/LUSA

Notícia relacionada:

Torres Novas | Familiares denunciam uma terceira morte suspeita no lar ilegal de Riachos

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- Publicidade -