Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Setembro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | Presidente da Freguesia de Assentis afirma receio pela sua segurança

O presidente da Junta de Freguesia de Assentis, Leonel Santos, independente, fez uma intervenção na sessão da Assembleia Municipal de Torres Novas de quinta-feira, onde afirmou estar a ser perseguido e ter receio pela sua segurança. 

- Publicidade -

Num texto lido perante os deputados municipais, Leonel Santos recordou que a situação começou há algumas semanas, quando alguém despejou dejetos na via pública no lugar de Fonte Velha, freguesia de Assentis. Como presidente de junta, o autarca comunicou o sucedido aos serviços da Câmara de Torres Novas, referindo que não mencionou o nome de ninguém, nem número de porta, “uma vez que até hoje, não tenho conhecimento oficial de quem quer que seja o cidadão em causa”.

Segundo contou, posteriormente recebeu vários telefonemas de um residente de Fonte Velha a dizer-lhe que sabia da comunicação ao município, que tinha o email e que as coisas não iam ficar assim. Leonel Santos afirma ter apresentado queixa no livro de reclamações da Câmara, considerando que houve uma falha de segurança e proteção de dados.

- Publicidade -

O episódio continuou, referindo o autarca que dias depois recebeu uma ameaça por mensagem, a qual citou: “Acabei de sair da Câmara Municipal de Torres Novas onde estive reunido com o Presidente diz que o senhor agiu de má fé… Tenho uma cunhada Juíza no Tribunal do Entroncamento…o meu sogro é procurador em Santarém… e fica avisado que irei recorrer para que a sua candidatura seja anulada e nunca mais se pode candidatar a cargos políticos. O senhor Presidente disse que o seu dever era falar comigo antes de fazer queixa, portanto o Sr. Leonel agiu de má fé…”.

Leonel Santos manifestou assim a sua indignação com a Câmara e os serviços municipais, considerando que a sua pessoa ficou exposta e desprotegida. “Esta situação é gravíssima de ameaça à integridade física e mental bem como alguma desigualdade política, principalmente nestes últimos meses/semanas junto de um início de campanha que se avizinha dotado de dogmas desgastados, assentes em falsas promessas políticas”, declarou.

Na resposta, o presidente Pedro Ferreira (PS) afirmou desconhecer o caso e garantiu que não tinha reunido com ninguém sobre tal situação ou entregado documentos de qualquer natureza.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome