Torres Novas: Pedro Ferreira admite que já recebeu ameaças devido à contestação da poluição

Pedro Ferreira adiantou que haverá uma reunião da APA e do ICNF em Torres Novas esta semana. FOTO: mediotejo.net

Chegaram por mensagens de telemóvel, email e até por pessoas que o alertaram para “ter cuidado”. Numa reunião de câmara na manhã de 27 de setembro, terça-feira, onde acorreram cerca de uma dezena de moradores da envolvente da fábrica Fabrióleo, queixando-se de ameaças verbais e materiais, o presidente do município, Pedro Ferreira, admitiu que o próprio também já foi ameaçado, com mensagens que envolviam a família. Pedro Ferreira desconhece a fonte de tais ameaças e se partiram da Fabrióleo, mas quis mostrar que também ao executivo chegam pressões devido à recente onda de contestação contra a poluição da Ribeira da Boa Água.

PUB

A reunião tinha uma extensa lista de pontos, mas foi praticamente toda dominada pelo público até depois do meio-dia. Da envolvente da Ribeira da Boa Água encontrava-se um grupo que veio pedir informações sobre a situação, queixando-se da intensificação da poluição, o prejuízo para os negócios, o cheiro tóxico que provoca vómitos e casos de quase asfixia, do medo de doenças e que os cancros que se verificam na vizinhança tenham origem na poluição, mas sobretudo das ameaças. Algumas apenas verbais, outras que rondaram em prejuízos materiais, que os proprietários da Fabrióleo já terão perpetrado, segundo o testemunho de alguns moradores, entre quem tentou queixar-se do mau cheiro e dos efeitos da poluição para a Ribeira da Boa Água.

Populares fizeram várias queixas, entre problemas de saúde e ameaças. FOTO: mediotejo.net
Populares fizeram várias queixas, entre problemas de saúde e ameaças. FOTO: mediotejo.net

As intervenções geraram tensão e muito nervosismo entre alguns dos presentes. Face aos testemunhos, Pedro Ferreira tomou a palavra e admitiu que o próprio, e a sua família, já receberam ameaças anónimas relativas à contestação da poluição. “Há aqui pessoas que já foram ameaçadas. Eu também já fui ameaçado! Por mensagem de telemóvel, por emails, a mim e à minha família”. O autarca não se alongou, frisando posteriormente ao mediotejo.net que desconhece a origem das mensagens.

PUB

Pedro Ferreira adiantou à população que no dia 8 de setembro houve uma inspeção à Fabrióleo, da qual saiu um relatório que dá conta que um tubo de descargas (a empresa tem uma autorização de descargas para a Ribeira da Boa Água, mas em certas quantidades) não estava de acordo com as normas. A empresa já terá sido notificada pela GNR.

Referiu ainda que durante a semana vai realizar-se no município uma reunião entre a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). Os moradores questionaram se poderiam participar na mesma, situação que o autarca ficou de averiguar se seria possível.

PUB

“O meu papel aqui não é fechar fábricas”, afirmaria ainda Pedro Ferreira, pretendendo-se sim o oposto: abrir empresas, criar emprego, apostar no turismo. Mas a situação atual, referiu, não pode ser ignorada. O presidente mencionaria que até do Torreshopping, próximo da ribeira, já começam a chegar queixas.

PSD, CDU e Bloco de Esquerda também participaram no debate, manifestando-se ao lado da população. “Isto é incrível! Nós não sabemos o que é descarregado nestas ribeiras”, afirmou Ana Filipa Rodrigues (CDU). Já Helena Pinto (BE) mostraria fotos de arame farpado nas instalações da Fabrióleo perto de moradias, o que representa uma ilegalidade, referiu, e imagens de pedras nos arredores corroídas pelo ácido.

Os moradores questionaram ainda porque estando parte das instalações da fábrica ilegais ela continua a laborar na sua totalidade. Pedro Ferreira e o vice-presidente Luís Silva explicaram que o município colocou um embargo e recusou a declaração de interesse público, mas a fábrica tem autorização para laborar de entidades superiores aos licenciamentos municipais.

 

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -

5 COMENTÁRIOS

  1. Tenho uma questão. Quando o presidente afirmou na marcha que o CRIT sofre com o cheiro da poluição, tendo essa entidade sido já apanhada de forma comprovada pelo movimento ambientalista a descarregar no ribeiro, que credibilidade tem este palhaço para o qual eu pago impostos para fazer um trabalho idóneo?

    Tenho pena de não poder estar presente na reunião, caso contrário eu próprio lhe teria dito isto na cara.

    Sinto-me enojado pela classe política que vai ao sabor do vento e na prática não faz nada do que lhe compete…

    Nunca passaremos disto…

  2. a proxima é minha ou se demite e assume a incompetencia que gere ou me enfrenta no tribunal europeu que eu ja nah vou em cantigas politicas ,,,ou se tem competencia e capacidade de decisão ou se resigna á evidencia …e xiuuu !

Responder a João Santos Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here