Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Maio 13, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | Paulo Vakulyuk (CNTN) alcança pódios em Kiev e bate recordes pessoais

O atleta Paulo Vakulyuk, do Clube de Natação de Torres Novas (CNTN) alcançou no fim de semana em Kiev (Ucrânia) vários recordes pessoais e distritais, subiu ao pódio com as estafetas e ficou a 5 centésimos de segundo de garantir o mínimo para os Europeus nos 100 metros mariposa. O nadador torrejano, de 18 anos, esteve nos dias 17 e 18 de abril em Kiev, no Multinations Júnior, em representação da Seleção Nacional.

- Publicidade -

Em nota de imprensa, o CNTN, através do treinador Pascoal Mendes, disse que a prestação de Paulo Vakulyuk neste evento “foi positiva, subiu por duas vezes ao pódio integrado nas estafetas de 4×200 livres (2º lugar) e 4×100 livres (3º lugar), obteve recordes pessoais e do distrito nos 50 e 100 metros mariposa, e aproximou-se claramente do mínimo para os Europeus de Juniores, estando neste momento a 0.05 segundos do tempo exigido para os 100 mariposa”.

Na próxima semana o CNTN irá estar com os seus atletas em Coimbra para competir no XXXII Torneio Internacional Queima das Fitas.

- Publicidade -

O clube de Torres Novas tem um total de 64 atletas dos escalões de cadetes a seniores.

O atleta Paulo Vakulyuk, do Clube de Natação de Torres Novas (CNTN) esteve no fim de semana em Kiev (Ucrânia), em representação da seleção nacional. Foto: CNTN

O CNTN regressou aos treinos com todas as equipas a 5 de abril, depois de uma paragem devido à pandemia de covid-19. “Ao longo dos últimos 2 meses e meio mantivemos os treinos em casa, tivemos formações internas online e proporcionamos a manutenção do convívio (virtual claro), e fica o nosso reconhecimento público para as nossas equipas dos diversos escalões que estavam ansiosas pelo regresso”, disse Pascoal Mendes.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome